Salve, leitores do UmDois Esportes! Aqui quem fala é Roger Pereira, colunista de política (é, isso mesmo) da editoria Paraná da Gazeta do Povo. Mas se o tempo e as oportunidades da carreira me levaram para essa cobertura especializada, foi o esporte que despertou minha paixão pelo jornalismo e foi nesta editoria fascinante que iniciei e trilhei os primeiros anos de minha vida de repórter. E sempre tento manter o vínculo com o esporte de alguma forma.

Projeto de atleta frustrado de futebol, handebol, basquete, vôlei, judô, luta olímpica e tênis (acho que foram só esses que tentei “investir”) vi na cobertura esportiva a chance de viver o esporte sem depender da minha aptidão física. Comecei no saudoso O Estado do Paraná, fazendo a coluna Panorama Esportivo. Tínhamos um repórter para cada um dos três clubes da capital, um quarto para os outros assuntos relacionados ao futebol e o estagiário (eu) para todos os outros esportes, do tênis de mesa ao Vale Tudo, como a gente chamava o MMA na época. Aos poucos, meu trabalho foi rumando para a política, mas a paixão pelo esporte nunca foi posta de lado. Trabalhei na primeira webtv de transmissão esportiva do estado – fundada pelo visionário Onaireves Moura, fui ao Pan, fui às Olimpíadas (como repórter e como torcedor, apesar de todas as modalidades que tentei praticar).

+ Siga o quadro de medalhas da Olimpíada de Tóquio 2021 em tempo real!

Nesta edição dos Jogos, estava bastante frustrado vendo que só iria acompanhar como torcedor. Aí dei uma olhadinha no calendário, vi que boa parte das Olimpíadas será durante o recesso parlamentar (quando a pauta política esfria um pouco), pentelhei meus chefes na Gazeta, enchi o saco do pessoal do UmDois e me voluntariei para ajudar na cobertura da Olimpíada de Tóquio 2021.

Sabendo que eu ia incomodar até conseguir um espacinho nesta cobertura, os editores do UmDois decidiram logo me embarcar, como enviado especial – ao sofá da minha casa. É de lá que, a partir desta terça-feira (20), vou cornetar (o Márcio Campos, do Papo Olímpico vai me odiar) tudo que a TV nos mostrar, ou deixar de mostrar, de mais legal, inusitado, emocionante, inspirador ou decepcionante dos Jogos.

+ Olimpíada de Tóquio-2021: todas as notícias dos Jogos!

Para isso, já montei meu esquema. A programação dos Jogos pelo horário de Brasília, salvo algumas exceções, começa às 21h e vai até às 10h da manhã do dia seguinte. Como meu expediente na Gazeta do Povo encerra às 17h, quatro horinhas de sono por dia, entre 17h e 21h, está mais que suficiente.

E a loucura já começa nesta terça-feira. É isso mesmo, já tem Olimpíada nesta terça: às 21h (9h da manhã de quarta-feira em Tóquio) tem Austrália x Japão no softbol. Ainda vai dar para ver mais duas partidas de softbol (Itália x Estados Unidos e México x Canadá) antes da concentração total para a estreia do Brasil no futebol feminino, às 5h de quarta-feira, diante da China. Prepara o energético, o pó de guaraná, ou mesmo o rebite, que estão começando os 20 dias mais legais dos últimos cinco anos...

O que assistir nesta madrugada:

21h – Softbol – Austrália x Japão
0h – Softbol – Itália x Estados Unidos
3h – Softbol – México x Canadá
5h – Futebol Feminino – China x Brasil
7h30 – Futebol Feminino – Japão x Canadá

Participe da conversa!
0