O Flamengo tinha amplo domínio no primeiro tempo, pressionava no campo de ataque, não permitia ao Coritiba ter a posse e trocar passes, muito menos chegar ao campo ofensivo. Marcou o seu gol aos 16 minutos, seguiu controlado as ações, mas depois dos 30 e poucos, se acomodou. E fez um segundo tempo extremamente preguiçoso, acomodado, sem buscar uma vantagem maior como poderia, e deveria.

Do outro lado do campo, mais agressivo depois das substituições, o Coxa, que nos 45 minutos iniciais simplesmente não finalizou, não ameaçou, finalmente arrematou no segundo minuto após o intervalo. Mas pouco ameaçou, de verdade mesmo, não conseguiu assustar. Em suma, os rubro-negros desperdiçaram a chance de praticamente assegurar a classificação no jogo de ida com o placar magro

Ocorre que a Copa do Brasil 2021 está maluca, surpreendente e, por isso, sensacional. A imprevisibilidade é clara, evidente. Tanto que o Palmeiras, atual campeão, foi eliminado pelo CRB, assim como o Internacional, vice da Série A, caiu diante do Vitória, com dois triunfos históricos desses dois clubes da Série B, ambos buscando a vaga depois de derrotas e fora de casa.

Da mesma maneira o Coritiba irá ao Rio de Janeiro depois de perder em seus domínios em busca da classificação. Afinal, a rodada teve, ainda, a Chapecoense, de volta à Série A, sendo eliminada pelo ABC, que está na D; assim como o Juazeirense, que desclassificou o Cruzeiro, hoje na B. Outro mineiro, novamente de primeira divisão, o América, foi despachado pelo Criciúma, que disputa a Série C.

Zebras de todos os tipos, principalmente nordestinas, que podem servir de motivação e dar maior esperança ao Coritiba. Até porque o Flamengo jogou com seis desfalques (Isla, Rodrigo Caio, Gerson, Arrascaeta, Gabigol e Pedro, além do técnico Rogério Ceni, infectado pelo coronavírus), na noite de quinta-feira. E continuará sem contar com nomes importantes na peleja de volta.

Participe da conversa!
0