colunas e Blogs
Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Análise

Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol

Por
Mauro Cezar Pereira
09/12/2021 17:09 - Atualizado: 04/10/2023 17:09
Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol
| Foto: EFE

Há três meses o Reino Unido tinha 64% de sua população totalmente vacinada contra a COVID-19 e o Brasil 33%. Parcialmente imunizados, com uma dose apenas, lá eram 6,7% e aqui também 33%. Ou seja, um terço dos habitantes do território brasileiro não havia recebido qualquer vacina contra o novo coronavírus, enquanto entre os súditos da Rainha esses eram 29%.

A quarta-feira, dia 8 de dezembro, apresentava o Brasil com 77% de sua população pelo menos parcialmente vacinada, avançando 11 pontos percentuais em 90 dias, enquanto ingleses, escoceses, galeses e norte-irlandeses cresceram de 71% para 75%. Entre os totalmente imunizados, com duas doses ou a única, dependendo do laboratório, o Reino Unido, com 75%, já foi ultrapassado pelo Brasil, já em 77%.

Na Alemanha o cenário é pior, com 72% do povo ao menos parcialmente imunizados, 69% totalmente e 3% parcialmente. Três meses antes os alemães totalmente vacinados eram 61%, com 44% tendo recebido a proteção ainda parcialmente, 34% não tinham recebido nada. Isso significa que no momento 28% da população alemã não foi minimamente vacinada, no Reino Unido 25% e no Brasil 23%.

Apesar da existência dos antivacina por aqui, capitaneados pelo próprio presidente da República, a tradição brasileira é grande nesse terreno. O país possui milhares de postos espalhados por seu território e o povo está acostumado a levar até bebês a eles para protegê-los, a ponto de doenças serem erradicadas, como a poliomielite. Isso pesou a favor quando as vacinas chegaram, apesar do absurdo atraso.

A vacina demorou mais do que deveria, mas chegou ao Brasil e aqui ela é adotada. Na Alemanha e na Inglaterra a resistência é absurda, apesar dos números que mostram mais de 90% dos casos de COVID-19 entre não imunizados. E isso chega ao futebol. Dois jogadores do Bayern Munique que a recusaram não podem jogar devido às consequências da mesma: Kimmich (foto acima) e Choupo Moting.

O primeiro, um dos mais importantes do time bávaro, enfrenta complicações pulmonares. Ele não atuará mais em 2021. Como vários jogadores do Tottenham não puderam encarar o Rennes, pela Conference League, devido a um surto entre atletas e funcionários, o que fez a Uefa adiar a partida.
Na entrevista coletiva, o treinador Antonio Conte não revelou esses empregados do clube e jogadores estão vacinados.

Lamentável, pois essa informação é fundamental. Afinal, quantos teimosos estão entre os infectados? São oito jogadores e cinco membros da equipe que testaram positivo para coronavírus. O centro de treinamento foi fechado. Mas na Inglaterra as pessoas que vão aos jogos não precisam apresentar comprovante de vacinação ou teste negativo. Agora o primeiro ministro Boris Johnson começa a pensar em medidas óbvias.

O futebol deu exemplo, disseram muitos, quando parou imediatamente no começo da pandemia. E faz o inverso por intermédio de quem se recusa a ser imunizado, espalha o vírus, desfalca seus times, gera adiamento de partidas e mantém a ameaça da COVID-19 mais forte do que deveria estar nesse momento. Gol contra é pouco para esses caras.

Veja também:
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
UFC México fica marcado por briga generalizada
UFC México fica marcado por briga generalizada
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados
Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Mauro Cezar Pereira
Athletico pagou caro por não ter estratégias. E foi goleado pelo Galo nas finais
Análise

Athletico pagou caro por não ter estratégias. E foi goleado pelo Galo nas finais

Muricy, o áudio vazado e a defesa da gestão inconsequente do Corinthians
Análise

Muricy, o áudio vazado e a defesa da gestão inconsequente do Corinthians

Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol
Análise

Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol