A Comissão Eleitoral do Coritiba vai convocar uma reunião extraordinária no Conselho Deliberativo para discutir o impasse envolvendo a data da eleição do clube. O pleito marcado para a próxima terça-feira (15), portanto, está suspenso.

A reunião, que acontece na próxima segunda-feira (14), deve definir, de uma vez por todas, a data e a forma de votação.

Na quinta-feira (10), após várias reuniões entre as três chapas concorrentes e a Comissão Eleitoral, não houve consenso quanto a um novo calendário eleitoral. Coritiba Responsável e União Coxa pediram o adiamento do sufrágio para 2021, situação rejeitada pela Coritiba Ideal (Confira a nota abaixo).

As datas sugeridas para a eleição foram 16 de janeiro (presencial) e 30 de janeiro (online), caso necessário. Depois de encerrada a discussão, em conversas informais, o representante da Coritiba Ideal na Comissão Eleitoral, Henrique Ballão, levantou a possibilidade da realização em 20 de dezembro, de forma presencial.

Os outros grupos gostaram da ideia e tudo foi repassado à Comissão. No entanto, quando Ballão levou a opção para seu G5 analisar, ela foi descartada. A posição da chapa era de não abrir mão da eleição na próxima terça, de forma virtual.

Eleição do Coritiba na Justiça?

Mas a data de 20 de dezembro, após o fim do decreto que proíbe aglomeração de mais de dez pessoas por causa da pandemia de Covid-19, causou muita confusão. Membros dos grupos liderados por Samir Namur e João Carlos Vialle ficaram revoltados com a volta atrás na proposição.

Um Termo de Acordo chegou a ser redigido pelo presidente da Comissão, Marcelo Licheski, que também é o presidente do Conselho Deliberativo. O documento, que não estava assinado, falava em acordo unânime entre as chapas para que a votação fosse remarcada para 20 de dezembro, com as duas datas de janeiro como planos B e C.

Caso necessário, as eleições online aconteceriam no site do clube ou seriam operadas por site especializado escolhido pela maioria das chapas. Até a empresa responsável por auditar os resultados estava escolhida.

O texto também citava a desatualização do banco de dados de sócios do clube como motivo da suspensão da eleição remarcada para a internet do dia 15 de dezembro.

+ Confira a classificação completa do Brasileirão!

Com a decisão sobre a data da votação passando para o Conselho Deliberativo, as chances de judicialização do processo eleitoral diminuem, mas ainda não estão descartadas.

Segundo apurou a reportagem, dois processos já estavam prontos antes da reunião dessa quinta-feira. Pessoas ligadas aos grupos de Samir Namur e também de João Carlos Vialle muito provavelmente ingressariam na Justiça caso a data de 15 de dezembro fosse mantida.

“Vamos discutir isso no Conselho, data, forma, até para que os conselheiros referendem a decisão. Se alguém quiser judicializar depois, paciência, mas vai ser a decisão do Deliberativo”, afirmou Licheski.

Procuradas, as chapas Coritiba Responsável e União Coxa ainda não se posicionaram sobre o assunto.

Confira nota da chapa Coritiba Ideal:

Valores!

Torcedores e sócios do Coritiba Foot Ball Club, sobre a nova proposta apresentada nessa quinta-feira (10) pela Comissão Eleitoral do Clube e as outras chapas que concorrem ao pleito, de alteração na data da eleição, tornamos pública nossa posição CONTRÁRIA a essa atitude!

Entendemos como grave equívoco o posicionamento da comissão eleitoral em aderir ao pedido das chapas de situação, contrariando a opinião de 90% dos sócios demonstrada em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 03 de outubro de 2020, quando optou-se pela manutenção do calendário estabelecido no Estatuto do clube.

A alternativa de mudança configura-se como um subterfúgio para ampliar o mandato da atual gestão.

Somos contra a mudança da data das eleições, e a opção pela eleição presencial neste momento pandêmico, até porque a votação on-line convocada pelo Comitê Eleitoral, inicialmente para 15/12, preservaria a integridade e saúde das pessoas neste momento de pandemia, além de ampliar a possibilidade de participação de eleitores considerados como grupo de risco, fortalecendo o espírito democrático da eleição pela maior participação voluntária dos associados.

Somos contrários à gestão atual, a pior da história do Coritiba em termos administrativos, financeiros, de futebol e no respeito à nossa história.

Confiamos em nossos valores. Para nós, os fins não justificam os meios. Esperamos que a união apresentada pelas chapas de situação, no esforço de dilatar a gestão atual, não se configure em continuidade às agressões e baixarias presentes, de forma vil e anônima, em redes sociais nos últimos dias.

O Movimento Coritiba Ideal é uma energia de reconstrução, mudança, renovação e expurgo do amadorismo e incompetência presente atualmente em nosso amado clube. Manteremos nossa proposta de uma campanha propositiva, mostrando planejamento profissional e ideias de transformação.

Consciente do cenário, no qual é triste constatar que a vaidade de poucos está destruindo o sonho de muitos, seguimos absolutamente fiéis a esta Instituição. Desejamos e torcemos que nossa camisa seja respeitada nas partidas que restam pela luta em manter o Coxa em seu lugar: a elite do futebol brasileiro.

Participe da conversa!
0