Cruzamento de Marcinho pela direita, gol de Terans. Foi com essa jogada que o Athletico derrotou o Atlético-GO por 2 a 1, nesta quarta-feira (28), na Arena da Baixada, pelo duelo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Os dois, aliás, estão sendo decisivos não só nesta tarde, mas em boa parte das partidas.

Dois dos últimos reforços do Furacão na temporada, eles garantiram alguns importantes pontos para o Furacão. Marcinho é o líder de assistências do time, com sete passes a gol, enquanto Terans já é o vice-artilheiro rubro-negro, com seis gols marcados, mas em apenas 16 jogos disputados, e de formas distintas, com chutes de fora, cobrança de falta ou de cabeça.

Já o lateral, que chegou sob desconfiança da torcida, foi ganhando espaço, assumiu a titularidade e vem sendo uma importante arma. Com uma média de uma assistência a cada três jogos (atuou 21 vezes), o camisa 5 atleticano vai munindo os atacantes pelos lados. Jogada, aliás, que é uma das principais características dos comandados de António Oliveira.

Marcinho, em dividida de bola em Athletico x Atlético-GO
Marcinho já deu sete assistências em 21 jogos.| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes

Pelo lado esquerdo, Abner também vem sendo bastante acionado. Só no Brasileirão foram duas assistências. Porém, com o atleta servindo a seleção brasileira nas Olimpíadas, os cruzamentos estão se concentrando mais com Marcinho. Diante do Dragão, Nícolas até tentou em algumas oportunidades, mas foi pela direita que deu resultado.

Mas, vem sendo uma tendência as jogadas pelo lado. Até quando o Athletico jogava com três zagueiros, os alas tinham mais liberdade para atacar, aumentando as bolas áreas, mas também apostando em lances rápidos e trabalhados. Neste último caso, o meia uruguaio se encaixou na estratégia.

+ Augusto Mafuz: Gols do Furacão. Terans, David Terans, é claro

Terans comemora gol contra o Atlético-GO
Terans comemorando gol virou cena comum no Athletico.| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes

David Terans encaixou o meio-campo do Furacão desde a sua chegada, tirando de Nikão toda a sobrecarga na armação e dando liberdade para o camisa 11 e também para Vitinho na organização. Reforços que mudaram a cara atleticana na temporada.

Participe da conversa!
0