colunas e Blogs
Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Copa América

Vaiar a seleção da CBF não é vaiar o país, como pensa Daniel Alves

Por
Mauro Cezar Pereira
23/06/2019 21:05 - Atualizado: 29/09/2023 16:49
Photo by Nelson ALMEIDA / AFP
Photo by Nelson ALMEIDA / AFP

Eu falei antes que a gente está representando um país. Se você nos vaia, está vaiando o seu país”. A frase de Daniel Alves após a goleada do Brasil sobre o Peru por 5 a 0, sábado, no estádio do Corinthians, ressuscita um velho debate provocado por óbvia distorção: transformar um time de futebol, no caso a seleção, em representante incontestável da nação e de todos os brasileiros.

Como pode ter tal papel uma equipe que tem o comando de uma entidade que se diz privada? Sim, a Confederação Brasileira de Futebol, mais conhecida pela sigla CBF, não integra qualquer instituição do Estado brasileiro, tampouco está subordinada ao Ministério do Esporte. Portanto, atribuir a ela tal papel não passa de uma antiga antiga falácia há décadas repetida.

Estruturalmente a CBF seria como uma empresa, o que também pode ser visto no mínimo como polêmico. Afinal, ela se apossa das cores nacionais, dos símbolos do Brasil, tem o hino brasileiro como seu na execução formal antes das partidas, além de controlar algo que pertence ao patrimônio cultural do país: o futebol. Entendê-la como privada ou algo próximo disso é muito discutível.

Mas a CBF, há anos, faz questão de se apresentar como tal, embora ninguém possa, digamos, comprar suas ações, tampouco seus controladores adquiriram parte da instituição. O presidente é eleito, na prática, pelas federações estaduais, que depois da mudança feita em 2017, passaram a ter tamanho poder que, mesmo reunidos todos os clubes, elas elegerão quem quiserem.

TABELA: Veja a classificação e os próximos jogos da Copa América

"As federações estaduais passaram a ter peso três, considerando a representatividade de milhares de clubes ausentes do processo eleitoral. As 27 federações estaduais representam mais de 1.200 clubes e ligas de futebol ativos e quase 7 mil registrados", dizia o comunicado emitido pela CBF na ocasião. Fruto de uma canetada de Marco Polo Del Nero, então presidente da entidade.

Marco Polo Del Nero. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Marco Polo Del Nero. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Antes disso, os 20 clubes da Série A e as 27 federações tinham votos com peso igual, o que já dava superioridade matemática às entidades estaduais. O novo estatuto inseriu os 20 da Série B no colégio eleitoral, mas com peso um, cabendo aos da A peso dois. Como os votos das federações somados chegam a 81 (27 multiplicado por três), elas superam amplamente os 60 nas mãos dos 40 times das duas principais divisões.

TABELA: Veja a sequência da Copa do Mundo Feminina

Na época, os clubes sequer foram comunicados de que retirariam o poder de seus votos. Na prática, a CBF é um clube fechado que controla o futebol. E movimenta muito dinheiro a partir do que proporcionam as seleções, formadas por jogadores nos quais não precisa investir um centavo. Eles são convocados! Um mecanismo conveniente e discutível estabelecido pela Fifa (Fédération Internationale de Football Association), esta sim acima hierarquicamente da Confederação.

Fifa, que baniu do futebol, para sempre, o ex-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, alegando que ele violou as regras de ética da entidade sobre suborno, oferecendo e aceitando presentes, lealdade, conflito de interesse e regras geral de conduta. Seu antecessor, José Maria Marín, sofreu a mesma pena e está preso nos Estados Unidos desde 2015.

José Maria Marin. Foto:  SIDNEY OLIVEIRA/AG. PARÁ
José Maria Marin. Foto: SIDNEY OLIVEIRA/AG. PARÁ

A justiça americana o considerou culpado de seis dos sete crimes pelos quais foi acusado: organização criminosa (uma vez), fraude bancária (três vezes) e lavagem de dinheiro (duas vezes). Delitos conectados à Libertadores, Copa do Brasil e Copa América, cometidos entre 2012 e 2015, quando Marin presidia a CBF.

Ricardo Teixeira, que esteve no cargo antes dele, e Marco Polo, que o sucedeu também foram denunciados nos Estados Unidos por receberem propina e cometer os mesmos crimes. Como o Brasil não extradita seus cidadãos, ambos seguem livres e sem serem julgados por lá. Já o atual presidente não pertence a algum outro grupo, ou seja, os mesmos seguem controlando a entidade.

Rogério Caboclo foi diretor de Relações Institucionais do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, comandada por Teixeira. Adiante, Del Nero assumiu a presidência da CBF e ele virou diretor financeiro, após o Mundial realizado no país. No final de 2016, assumiu a diretoria executiva. Mesmo em meio a tantos escândalos, os antigos detentores do poder não o perderam, com o bastão sendo passado a um dos seus.

“Quero deixar claro minha total independência, dentro dos limites estatutários, para fazer tudo aquilo que eu acredito. Não vou tolerar nenhuma prática duvidosa. Meu mandato terá dois pilares: integridade e eficiência”, disse o atual mandatário cebeefiano, ao assumir a presidência, em abril. Tomara, mas seria ótimo ter pessoas sem qualquer vínculo com o passado da Confederação, algo que na prática é impossível.

Neymar. Photo by FRANCK FIFE / AFP)
Neymar. Photo by FRANCK FIFE / AFP)

Principal jogador da seleção brasileira na atualidade, fora da Copa América devido a uma lesão, Neymar responde a processo na Receita Federal. Ele sofreu cobrança de R$ 69 milhões em impostos e multas, pois teria sonegado tributos quando trocou o Santos pelo Barcelona. Em 2015 foi autuado em R$ 188 milhões porque teria deixado de declarar R$ 63,6 milhões entre 2011 e 2013, omitindo esse montante por meio de suas empresas, como publicou a Gazeta do Povo.

Ao contrário do que Daniel Alves, aos 36 anos, ainda acredita, nenhuma pessoa nascida no Brasil é obrigada a torcer pela seleção sob o risco de não ser patriota. Ou alguém acha que os ex-dirigentes da entidade que controla esse time de futebol eram exemplos de cidadania e respeito à Pátria? E o jogador que não paga todos os tributos, é um bom cidadão?

Não, ele e seus colegas não são nossos representantes compulsórios, mas apenas integrantes de um time de futebol, pelo qual é possível pode torcer sem ser brasileiro e não torcer sem deixar de ser. Afinal, dirigente preso, que não pode sair do Brasil e jogador acusado de sonegação vaia o país, Daniel Alves?

Leia mais

Veja também:
Copa do Brasil: sorteio define confrontos da terceira fase
Copa do Brasil: sorteio define confrontos da terceira fase
Quem pega quem? Assista ao sorteio da Copa do Brasil AO VIVO
Quem pega quem? Assista ao sorteio da Copa do Brasil AO VIVO
Paraná vai encarar rivais com novas SAFs de ex-Coritiba, cantor e pentacampeão
Paraná vai encarar rivais com novas SAFs de ex-Coritiba, cantor e pentacampeão
Coritiba só venceu a Ponte Preta em Campinas uma vez há quase 20 anos
Coritiba só venceu a Ponte Preta em Campinas uma vez há quase 20 anos
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Mauro Cezar Pereira
Athletico pagou caro por não ter estratégias. E foi goleado pelo Galo nas finais
Análise

Athletico pagou caro por não ter estratégias. E foi goleado pelo Galo nas finais

Muricy, o áudio vazado e a defesa da gestão inconsequente do Corinthians
Análise

Muricy, o áudio vazado e a defesa da gestão inconsequente do Corinthians

Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol
Análise

Alemanha e Inglaterra sofrem com os antivacina e o vírus volta forte ao futebol