Foto de perfil de André Pugliesi

André Pugliesi

Ver mais
Copa do Brasil

Adriano Gabiru não quer falar sobre Athletico e Inter; ou a vida entre o mito e o meme

Adriano Gabiru não quer falar sobre Athletico e Inter; ou a vida entre o mito e o meme
| Foto:
  • PorAndré Pugliesi
  • 09/09/2019 19:19

Adriano Gabiru não quer falar sobre Athletico e Internacional. Pelo menos até a publicação deste texto. Falará em algum momento sobre a grande decisão da Copa do Brasil da temporada 2019? Não se sabe, pode ser que fale.

A Gazeta do Povo entrou em contato na sexta-feira (6) e o ex-jogador não se mostrou receptivo, pediu para ligar outro dia, mandar qual seria a ideia por WhatsApp. Direito dele, claro. Mas todo mundo quer saber a opinião do Adriano sobre o duelo fundamental.

Por motivos óbvios. O filho de Maceió é talvez, ou possivelmente, o jogador mais importante da história das duas equipes envolvidas na disputa em 180 minutos por R$ 50 milhões e a glória. Parece exagero? É fácil justificar, acompanhe.

No Athletico, Carlos Adriano de Souza Vieira chegou em 1997 e logo pegou o apelido que o acompanha até hoje, conferido pelo goleiro Flávio. Gabiru, no Nordeste, é o sujeito mirrado, franzino. Gabiru, no dicionário, é o cara gaiato, esperto. Adriano era os dois.

No CT do Caju, cresceu e foi campeão paranaense pelo Furacão, em três Atletibas eletrizantes já em 1998. Desenvolveu uma técnica que o fazia ganhar de zagueiros imensos no cabeceio, projetando antes o seu 1,72m para ocupar o espaço aéreo onde a bola chegaria.

E como um meia enjoado, daqueles que todo zagueiro adora rachar, Adriano fez história. Foi o dínamo da meia-cancha atleticana. Como dizem os técnicos hoje em dia, sabia "pisar na área" e marcar gols. Levantou ao menos seis títulos: da Seletiva, quatro do Paranaense e o maior de todos, o Brasileiro de 2001.

Arquivo Gazeta do Povo
Arquivo Gazeta do Povo| ANTONIO COSTA

Partiu para a França para realizar o sonho de jogar na Europa. Foi ser jogador internacional no Marseille, mas a glória internacional viria mais tarde, no Internacional. Virou mito, como o herói mais improvável do atual maior rival do Furacão.

E se não há a menor dúvida de que Paulo Roberto Falcão é o principal ídolo do Colorado, é certeza que Adriano, sim, o Gabiru, é o autor do gol mais importante da história do clube, em 2006, na final do Mundial contra o Barcelona, o único do clube. Para tanto, bastaram só cinco minutos.

Gabiru saiu do banco aos 31 minutos da etapa final, no Japão. Aos 36, fez 1 a 0 para o Inter com um só toque na saída de Valdés, derrubou o império barcelonista de Ronaldinho Gaúcho, Deco e Iniesta. Virou lenda e nunca soube exatamente o que fazer com isso.

AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI
AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGI| KAZUHIRO NOGI

A partir daí, alçado ao posto de figura histórica, imortal, mas ainda vivo, acabou também personagem principal de uma novela recheada de mágoas e desencontros. Foi emprestado ao Figueirense logo no ano seguinte.

Desde então, as relações entre Adriano e Inter nunca foram como deveriam ser. O jogador chegou a processar o clube na Justiça, cobrando dívidas em uma ação trabalhista e direitos sobre a exposição de sua imagem. No ano passado, houve um acordo.

A pendência financeira foi encerrada mas a sentimental não. E hoje, como se sabe, Gabiru não quer falar sobre Athletico e Internacional. Nunca esteve confortável sob os holofotes, diante dos microfones e agora, veterano, não precisa deles.

Reprodução
Reprodução

Exposição? Só na condição de meme, a mais nova persona de Adriano. Ao lado do inseparável companheiro Perdigão, também ex-atleta, os dois são sensação no WhatsApp, em áudio, vídeo, stickers etc. Viralizam adoidado.

Gabiru segue a vida como sempre quis. Apavorando nas peladas de master, seja com a camisa do Furacão ou a do Inter, em turnês por cidades do interior. Jogar bola é a dele e, aos 42 anos, dizem os companheiros de pelada, continua chato de marcar e, um pouco, para dar entrevistas.

Participe da conversa!

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.