A seleção brasileira masculina de ginástica artística participou, nesta quarta-feira (21), do treino de pódio no Ariake Gymnastics Centre, palco da disputa da modalidade nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2021. Os atletas apresentaram as suas séries nos seis aparelhos da competição: salto, solo, cavalo com alças, argolas, paralelas e barra fixa.

"O treino de pódio é importante para testarmos tudo, fazer ajustes. Cada ginasta tem 22 minutos em cada aparelho para apresentar a sua série. No meu caso, deu para avaliar bem a barra, mas também os demais aparelhos", disse Arthur Nory, medalha de bronze no solo nos Jogos Olímpicos do Rio-2016.

+ Calendário da Olimpíada; veja dias e horários de todas as competições

Em Tóquio, a seleção brasileira masculina conta, além de Nory, com o campeão olímpico Arthur Zanetti e os estreantes Caio Souza e Diogo Soares. Por ter realizado uma atividade mais forte nas argolas na última terça-feira, Zanetti foi poupado de participar do treino de pódio.

"Meu treino mais forte foi ontem [terça-feira]. Ontem fizemos um treino forte, hoje (quarta) no aquecimento também fizemos um treino. O objetivo era não entrar hoje para apresentar aqui. Os dois treinos já tinham sido fortes, então decidimos não fazer nada. Lá dentro do ginásio dei uma topada no dedo, mas nada muito sério. O treino mais forte foi ontem", explicou Zanetti.

No treino de pódio, os atletas têm a oportunidade de se adaptar ao local e dar aos juízes uma primeira amostra do grau de dificuldade de suas séries. A origem do termo "treino de pódio" remete à plataforma, em inglês também chamada de podium, sobre a qual os aparelhos são montados. Não tem muito a ver com o pódio onde os atletas recebem a medalha.

A competição da ginástica artística masculina começa neste sábado com a disputa do qualificatório.

+ Olimpíada de Tóquio-2021: todas as notícias dos Jogos!

Participe da conversa!
0