Com apenas seis anos de fundação, um novo clube emerge para a elite do futebol paranaense. O vizinho Independente Futebol SãoJoseense, time de São José dos Pinhais, foi campeão da segunda divisão do Campeonato Paranaense 2021 e vai estrear na primeira divisão no ano que vem.

Com Athletico, Coritiba e Paraná tão próximos, o clube da Região Metropolitana de Curitiba não quer criar uma disputa em busca de torcedores contra o trio de ferro. Segundo o presidente do SãoJoseense, Kleiton Bacetto, o objetivo é ser o "segundo time" dos torcedores.

"A gente não quer criar uma competição com eles fora do campo. Dentro, sim. Fora dele, nós não queremos que o cidadão são-joseense que torce para Athletico, Coritiba e Paraná deixem de torcer para eles e torça para o SãoJoseense. Nós queremos que seja o segundo clube de todos. Eles podem torcer normalmente quando os times estiveram jogando, mas quando o São Joseense estiver jogando contra outro, que torçam para nós", afirmou.

Apoio de lateral Rafinha, clube-empresa e parceria com ex-jogadores

| Junior Vilarinho / SãoJoseense

O sucesso em campo é consequência do planejamento e das parcerias feitas fora dele. O clube vinha batendo na trave em busca do acesso há alguns anos. Depois de subir da Terceirona em 2017, o SãoJoseense viveu altos e baixos até chegar à elite. A concretização do sonho só veio com a chegada de duas empresas de agenciamento de atletas de ex-jogadores.

"Fizemos uma parceria bem boa com o Gustavo Lazzaretti e o Ricardo Scheidt. Tivemos um monitoramento de atletas e contratamos jogadores muito bons. E conseguimos o acesso. E já queremos iniciar a pré-temporada, estamos esperando apenas o calendário da Federação. Já estamos tentando renovar com alguns atletas, monitorando outros, tentando fechar e renovar com os patrocinadores para tentar fazer uma boa campanha na primeira divisão", disse Bacetto.

O clube é mantido por patrocinadores locais e por essas parcerias. O objetivo é captar jovens e negociá-los. E esse formato de projeto já rendeu frutos. Recentemente, o auriazul transferiu o jovem Lauan Marques para o Flamengo.

"Eles vêm com essa expertise de tratativas com atletas, de negócios. Através deste relacionamento deles, a gente já conseguiu colocar um atleta no Flamengo. Não envolveu valores, mas ficamos com uma porcentagem", explicou o presidente.

E esta parceria com a empresa R13 Fussball, do agente Ricardo Scheidt, também trouxe o lateral-direito Rafinha, atualmente atleta do Grêmio e sócio da empresa, como um apoiador.

"O Rafinha é um embaixador. Ele é uma figura pública, que a gente não consegue mensurar a importância dele junto ao clube", resumiu.

O SãoJoseense também é um clube-empresa. Kleiton Bacetto explicou que, apesar deste termo, em que talvez os torcedores entendam que o objetivo é apenas gerar lucro, o projeto é para dar visibilidade à cidade e também criar uma identidade com o torcedores locais.

"Temos que deixar bem claro que um clube-empresa não quer dizer que está visando só lucro ou dinheiro. Um clube estatutário é bem complicado. Um dia você está na gestão, aí faz um monte de besteira, sai e as dívidas ficam. No clube-empresa, não, a responsabilidade é um pouco maior. A gente responde com os bens e criamos mais credibilidade também. É clube-empresa neste sentido, mas o clube mesmo é para o cidadão são-joseense, para a cidade", explicou.

Campanha na Segundona e aposta em jogadores experientes

| Junior Vilarinho / SãoJoseense

O SãoJoseense iniciou a Segundona com três empates, o que deu uma certa insegurança para a equipe. Mas cresceu durante o campeonato, emendou três vitórias e assumiu liderança. Nas semifinais, passou pelo PSTC e levantou a taça inédita depois de duas vitórias sobre o União.

"O fundamental para essa conquista foi a união de todos, todo mundo pensando em só um objetivo. E a união dos atletas. Foi um grupo que se fechou, comprou a nossa ideia de jogo e abraçou de uma forma que ficou fácil de trabalhar", afirmou o treinador Marcos Skavinski, o Marcão.

No elenco, nomes como o zagueiro Dirceu (ex-Coritiba e Londrina) e o lateral-esquerdo Ricardinho (ex-Coritiba e que chegou a jogar a Champions League em clubes menores da Europa) foram fundamentais.

Marcão treinador e objetivo em 2022

| Junior Vilarinho / SãoJoseense

A parceria também trouxe o técnico Marcos Skavinski, o Marcão, ex-jogador de Coritiba e Athletico. O grande sonho do SãoJoseense é agora se manter na elite e buscar uma vaga na Série D 2023.

"Eu recebi o convite no começo de março e abracei. Sabia que a gente poderia fazer um grande trabalho. Eles deixaram bem claro que o objetivo era subir e que iriam montar uma equipe para conseguir o acesso. E graças à estrutura, projeto e organização, a gente conquistou esse acesso", comentou o treinador.

"É um clube que tem muito a crescer, tem projeção no futebol paranaense e nacional. E o nosso objetivo é estar daqui a um, dois anos, brigando por uma série no Brasileiro. O principal objetivo do clube no Paranaense do ano que vem é conseguir uma vaga na Série D em 2023", completou Marcão.

Estádio do Pinhão como trunfo

| Felipe Rosa/Arquivo/Tribuna do Parana

O grande trunfo do clube para buscar os objetivos em 2022, é o Estádio Municipal do Pinhão. Reformada em 2017 pela Prefeitura de São José dos Pinhais, a cancha possui gramado sintético e pode favorecer os mandantes contra adversários desacostumados com esse tipo de piso.

A parceria para uso do estádio é público-privada. O clube tem um termo de permissão para usar o espaço e, em contrapartida, o município utiliza a camisa colocando jovens atletas, que se destacam, para jogar.

"Queremos que o Estádio do Pinhão seja o nosso diferencial. Não podemos esconder isso, temos que ter uma vantagem sobre as outras equipes", finalizou Kleiton Bacetto, presidente do SãoJoseense.

Campeonato Paranaense 2022

O Campeonato Paranaense 2021 acabou na última quarta-feira (13) com o Londrina campeão, mas a competição do ano que vem já tem todos os participantes definidos.

Além do SãoJoseense, o União, de Francisco Beltrão, foi o outro time que subiu para a elite. Veja todos os times participantes: Athletico, Coritiba, Paraná, Londrina, Operário, FC Cascavel, Cianorte, Rio Branco, Azuriz, Maringá, Independente SãoJoseense e União.

As informações sobre a edição de 2022 ainda não foram divulgadas pela Federação Paranaense de Futebol (FPF).

Participe da conversa!
0