Futebol
Eliminado

Brasil fora das Olimpíadas amplia série de fiascos das seleções

Por
Folhapress
12/02/2024 11:05 - Atualizado: 12/02/2024 16:33
Brasil x Argentina
Brasil x Argentina | Foto: Joilson Marconne/CBF

Ficar fora dos Jogos Olímpicos de Paris-2024 é o capítulo mais recente entre os fiascos na seleção brasileira. Em diversas categorias.

A derrocada do time sub-23 comandado por Ramon Menezes não é a origem exclusiva de frustração envolvendo a amarelinha nos últimos tempos. O cenário é mais amplo. Mais do que resultados, o quadro aponta para uma tendência problemática ligada à gestão das seleções feita pela CBF. Mas também é resultado de escolhas equivocadas por parte dos treinadores e erros de jogadores em momentos cruciais.

O trabalho de Ramon está sob análise e a CBF deve se manifestar sobre o futuro dele depois de uma reunião com o treinador na volta ao Brasil.

OS RESULTADOS

Na seleção principal masculina, 2023 trouxe uma esperança não concretizada na vinda do técnico Carlo Ancelotti, enquanto soluções paliativas – o próprio Ramon Menezes e Fernando Diniz –trouxeram derrotas em amistosos e nas Eliminatórias.

O Brasil está em sexto lugar nas Eliminatórias e viu tabus acabarem. Por exemplo, perdeu em casa pela primeira vez nas Eliminatórias, logo para a Argentina, no Maracanã, em jogo com pancadaria.

Na principal feminina, o Brasil caiu da Copa do Mundo ainda na fase de grupos, não passando por adversários historicamente mais fracos, como a Jamaica. A solução imediata foi demitir a técnica Pia Sundhage e trazer Arthur Elias do Corinthians.

Na base, o efeito positivo que a conquista do Sul-Americano Sub-20 trouxe, sob o comando do próprio Ramon, não se sustentou. A seleção sub-20 foi eliminada para Israel nas quartas de final do Mundial.

Ramon até conquistou o ouro nos Jogos Pan-Americanos, mas trata-se de uma medalha que não passa perto da prateleira mais alta do time sub-23.

No Mundial Sub-17, o Brasil também caiu nas quartas de final. Levou 3 a 0. De quem? Da Argentina.

QUESTÃO ESTRUTURAL

O Brasil passou recentemente por problemas de representatividade no comando da CBF: Ednaldo Rodrigues chegou a ser afastado da presidência pela Justiça. Um dos argumentos para a volta dele foi a necessidade de enviar a lista dos convocados do Brasil para o Pré-Olímpico, já que a Fifa e a Conmebol não reconheciam a administração interina de José Perdiz. Ironicamente, o Brasil não vai a Paris-2024 de qualquer jeito.

Na seleção principal, Ednaldo adotou a estratégia inicial de concentrar o poder e as decisões. Ele não contratou um diretor para o setor ou um coordenador técnico. O trato era direto com o treinador no cargo. Foi Ramon no começo do ano, quando o Brasil perdeu para Marrocos e Senegal – só ganhou da Guiné. Foi com Fernando Diniz, quando vieram os tropeços nas Eliminatórias (empate com a Venezuela e derrotas para Colômbia e Argentina).

O sonho era trazer o técnico Carlo Ancelotti, mas a saída temporária do cargo fez o negócio ruir e o italiano renovou com o Real Madrid. Ednaldo trouxe Dorival como solução definitiva, mas ainda não concluiu a reestruturação da seleção. Aguarda Rodrigo Caetano para ser diretor e tenta trazer Juan, do Flamengo, como coordenador.

Na base, a seleção tem Branco como coordenador. Mas a CBF, de modo geral, passou sufoco e não conseguiu negociar com antecedência a liberação de jogadores para as competições. O que fez com que as listas fossem alteradas de última hora. Ainda por cima, lesões aumentaram a dor de cabeça.

Ramon foi um nome trazido por Ednaldo para a estrutura da CBF, no primeiro ato como presidente eleito, em março 2022.

Na feminina, Ednaldo terminou a passagem da técnica Pia Sundhage, contratada na gestão Rogério Caboclo. A aposta é em Arthur Elias. A seleção feminina, pelo menos, tem vaga olímpica e estará em Paris.

A crise da CBF está custando caro para o futebol brasileiro
Opinião

A crise da CBF está custando caro para o futebol brasileiro

Veja também:
Motorista de ônibus do Fortaleza detalha ataque que deixou jogadores feridos
Motorista de ônibus do Fortaleza detalha ataque que deixou jogadores feridos
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
UFC México fica marcado por briga generalizada
UFC México fica marcado por briga generalizada
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Futebol
Motorista de ônibus do Fortaleza detalha ataque que deixou jogadores feridos
Revolta

Motorista de ônibus do Fortaleza detalha ataque que deixou jogadores feridos

Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados
Atentado a ônibus

Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados

Corinthians depende de rival para sobreviver no Paulistão
Situação complicada

Corinthians depende de rival para sobreviver no Paulistão