Vinte e um anos após sua terceira e última edição, a Copa Sul-Minas pode voltar ao calendário do futebol brasileiro em 2023. Pelo menos essa é a intenção dos principais clubes de Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que vêm articulando o retorno do torneio com a CBF e as respectivas federações estaduais.

Há cerca de um mês, diversos times (entre eles Atlético-MG, Coritiba, Cruzeiro, Criciúma, Grêmio e Internacional) assinaram uma carta de intenções para reviver a Sul-Minas – o Athletico tem conhecimento da iniciativa, mas ainda não assinou.

+ Confira a tabela do Brasileirão

O principal objetivo é econômico. Os dirigentes acreditam que o campeonato, em moldes parecidos com a bem-sucedida Copa do Nordeste, seria capaz de trazer mais receita aos clubes. A situação foi revelada na semana passada pelo presidente do Criciúma, Vilmar Guedes, ao jornalista Denis Luciano, da Rádio Cidade em Dia.

O dirigente citou que o torneio poderia arrecadar até R$ 170 milhões, mas sinalizou que ainda não há acordo encaminhado para transmissão. "Falta só colocar o cheque na mesa, ou do SporTV ou do Amazon Prime", disse Guedes.

O UmDois Esportes apurou que empresa de marketing esportivo Sportsview, fundada pelo ex-chefe da área de aquisição de direitos de transmissão esportiva da Globo, Marcelo Campos Pinto, trabalha com os times na busca por parceiros para o eventual torneio.

Calendário e viabilidade da Sul-Minas

A viabilidade da Sul-Minas, contudo, depende das quatro federações envolvidas. Seria necessário alterar as fórmulas de disputa atuais para "liberar" os times que participarem do regional da fase inicial dos estaduais, por exemplo.

O plano inicial é ter 12 times no torneio, sendo três de cada estado: Grêmio, Internacional e Juventude (RS); Avaí, Chapecoense e Criciúma (SC); Athletico, Coritiba e Paraná (PR); e América, Atlético e Cruzeiro (MG).

O calendário dos estaduais, então, teria inicialmente apenas as equipes menores em campo – os times maiores entrariam em um segundo momento. O acesso à Sul-Minas, por outro lado, estaria diretamente relacionado ao desempenho nos estaduais.

Questionado pela reportagem, o presidente da Federação Paranaense de Futebol (FPF), Hélio Cury, deixou claro que ainda há muitos pontos a serem esclarecidos antes de a Sul-Minas efetivamente voltar ao calendário.

"O assunto está sendo analisado pelo nosso departamento jurídico. Ainda não tomei nenhuma posição com relação a isso. Estamos escutando todas as partes, não só os envolvidos diretamente, como quem seria envolvido indiretamente também. Isso tem reflexo nos estaduais, temos que tomar cuidado para não resolver um problema de um lado e prejudicar o outro lado. Estamos conversando com os clubes", afirmou Cury.

"Primeiro tem que ser resolvido o formato, essas coisas todas. Então, o nosso posicionamento é resolver os problemas como um todo. Se [o torneio] vai começar ano que vem é uma discussão posterior. A situação está sendo discutida com todo mundo", complementou o dirigente.

A reportagem pediu um posicionamento da CBF sobre o assunto, mas até agora não obteve resposta.

Histórico da Sul-Minas

A Copa Sul-Minas é derivada da Copa Sul, que nasceu em 1999. A partir da inclusão das equipes mineiras, o torneio ganhou força e foi realizada em três temporadas seguidas, entre 2000 e 2022.

Em todas elas, um time de Minas Gerais sagrou-se campeão. O primeiro foi o América-MG, que bateu o Cruzeiro na final. A Raposa, no entanto, levou as duas edições seguintes. Primeiro, em 2001, superou o Coritiba decisão e depois, em 2002, bateu o Athletico em duas partidas para levantar a taça.

Participe da conversa!
0