Brasileirão

Teto de R$ 200 mil, reforços caros e ineficientes… A folha salarial do Coritiba

Teto de R$ 200 mil, reforços caros e ineficientes… A folha salarial do Coritiba
| Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes/Gazeta do Povo
  • Por Fernando Rudnick
  • 11/01/2021 22:13

Não é somente por causa das dificuldades financeiras que o Coritiba ocupa o último lugar do Brasileirão – e caminha a passos largos para o segundo rebaixamento em pouco mais de três anos. O UmDois Esportes teve acesso à planilha da folha salarial coxa-branca na temporada e, ao analisar a distribuição do dinheiro, algumas situações ajudam a entender o cenário atual.

Ao fim da gestão do presidente Samir Namur, em 29 de dezembro de 2020, o plantel e comissão técnica custava cerca de R$ 3,5 milhões mensais, contabilizando vencimentos em carteira e também de direitos de imagem.

O valor é pequeno em comparação com alguns rivais da Série A como Flamengo, Grêmio e Palmeiras, por exemplo, e posiciona o Alviverde entre as cinco menores folhas salariais do campeonato. Só que as apostas em jogadores com salários altos não trouxeram resultados em campo.

+ Confira a classificação completa do Brasileirão!

Um exemplo claro são os reforços contratados ao longo do Brasileirão. Cerutti, Hugo Moura, Lucumí, Jonathan, Maílton, Mattheus Oliveira, Neilton, Osman, Ramón Martínez, Ricardo Oliveira, Rodrigo Muniz (que já deixou o Coxa) e Sarrafiore representam aproximadamente R$ 1 milhão na folha salarial. Em campo, juntos, os 12 nomes anotaram apenas três gols e deram duas assistências.

Por outro lado, os 11 atletas que mais entraram em campo pelo Coxa no campeonato recebem, na somatória, R$ 920 mil. O salário médio é de R$ 83,6 mil.

Teto da folha salarial do Coritiba é de R$ 200 mil

Ao todo, o plantel alviverde chegou a ter 15 jogadores com vencimentos na casa de três dígitos – quatro deles já deixaram o clube. Outros quatro nomes recebem o teto salarial pago no Alto da Glória: R$ 200 mil.

Também há outros aspectos "curiosos" na folha salarial. O clube chegou a desembolsar R$ 71 mil por mês em auxílio moradia para atletas. Com custos de intermediação, por outro lado, pagou cerca de R$ 200 mil no ano.

Com a iminente queda à Série B, a nova gestão terá de enxugar drasticamente a folha. Fora da elite, o clube perde a principal fonte de renda, as cotas de TV aberta e fechada, ou seja: vai precisar fazer mais com menos para buscar o acesso imediato.

Participe da conversa!
0

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.