Veja a entrevista!

Piá do Coxa, Natanael busca afirmação e revela reação da mãe ao primeiro gol

  • Por Fernando Rudnick
  • 27/01/2021 19:39

Aos 19 anos de idade, Natanael Moreira Milouski desponta como principal candidato ocupar, a longo prazo, a lateral direita do Coritiba.

Nesta temporada, o paranaense criado na pequena Braganey, no Oeste do estado, já jogou 16 partidas pela equipe principal – 11 como titular. Atuou em todos os quatro jogos desde o início de trabalho do técnico Gustavo Morínigo e, contra o Fluminense, marcou seu primeiro gol como profissional.

"Minha mãe disse que teve que se beliscar para ver se não era um sonho", conta Natanael, um verdadeiro "piá do Couto" que morou quatro anos no alojamento do estádio coxa-branca. Veja a entrevista completa no vídeo acima!

Uma mudança e tanto para quem começou 2020 ainda no time sub-20. Em janeiro, disputava a Copa São Paulo. No mês seguinte, estreou pelo time principal. Agora, amadurecendo a cada jogo, não esconde os planos.

"A gente pensa em se consolidar. Respeitando todos os companheiros, mas todo jogador pensa em atuar, em jogar. Ainda mais no Coritiba, um clube muito grande, que meu deu essa oportunidade. Claro, quero fazer o melhor com essa camisa, e fazer o melhor por essa instituição e para essa torcida que merece muito, né?", diz o camisa 16, que em boa parte das categorias de base precisou jogar na lateral-esquerda para não concorrer com Yan Couto.

Aliás, "substituir" o prata da casa vendido para o Manchester City por R$ 28 milhões poderia ser uma responsabilidade extra para Natanael... ou não?

"Não vejo como um peso. Acho que cada um tem que pensar em construir sua carreira. O Yan foi meu companheiro de base no sub-15 até o sub-20, até no profissional. Ele já está com sua carreira fora [do país], fazendo jogos no Girona, vendido para o Manchester City. Eu tenho que pensar em fazer a minha, primeiramente aqui no Coritiba", afirma.

Pensar no Coritiba, hoje, é não desistir de tentar evitar o rebaixamento. A tarefa é ingrata, já que o time está a oito pontos de deixar a zona de rebaixamento faltando seis jogos para o fim do Brasileirão.

"Na nossa cabeça somos bem realistas, sabemos que é difícil, mas não é impossível", enfatiza o lateral.

"Vejo que o time vem evoluindo nas últimas partida e, por mais difícil que seja, a gente acredita em conseguir essa vitórias e deixar o clube na Série A".

Independentemente da divisão, Natanael tem certeza do que busca: evolução. "Jogador só para de evoluir quando encerra a carreira. Quero evoluir cada dia mais, estar junto com os mais experiente, pegando conselho, ver onde posso melhorar", conclui.

Participe da conversa!
0

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.