Em junho de 1998, Cléber Arado assinou contrato com o Athletico, após deixar o Mérida, da Espanha, em litígio. O jogador, que havia atuado no Coritiba em 1997, antes de se transferir para o futebol espanhol, defenderia o maior rival.

Mas o camisa 10, que faleceu neste sábado (2) de Covid-19, nunca chegou a vestir a camisa do Furacão. Enquanto o avante treinava no Rubro-Negro sob comando do técnico Abel Braga, a diretoria do Coxa comprou seu passe.

A rescisão de contrato, no entanto, foi negada por Mario Celso Petraglia. Arado, então, fugiu da concentração na véspera de sua estreia pelo time da Baixada. A partir daí, começou a virar ídolo no Alviverde.

Ouça abaixo a versão do próprio Cléber sobre o assunto. O áudio foi enviado a um torcedor e circula nas redes sociais.

Participe da conversa!
0