Foto de perfil de Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Ver mais
Busca por melhor futebol

Brasil sofre mais do que era preciso, mas ganha Copa América

Brasil comemora vitoria sobre o Peru pela final da Copa América 2019
Brasil comemora vitoria sobre o Peru pela final da Copa América 2019| Foto: Celso Pupo/Estadão Conteúdo
  • PorMauro Cezar Pereira
  • 07/07/2019 19:41

Antes mesmo do jogo no Maracanã, era óbvio afirmar que o Brasil tinha imenso favoritismo. O Peru fez campanha risível na Copa América até a ótima vitória sobre o Chile. Só havia marcado gol sobre o pior time do certame, a Bolívia, ainda na primeira fase.

Os peruanos passaram pelo Uruguai sem chutar na direção certa em 90 minutos de peleja. Guerrero foi enaltecido, mas fora o duelo contra os chilenos, a campanha dos peruanos, incluindo seu principal jogador, era fraca. Já haviam ido mais longe do que o imaginado.

>> Confira a premiação do Brasil pelo título da Copa América 2019

O Peru não se acovardou nos primeiros movimentos. Se na partida em Itaquera, quando perdeu por 5 a 0, começou agredindo o Brasil, a equipe de Ricardo Gareca pressionou os brasileiros em seu campo no início da decisão no Maracanã. Arrojado o time andino.

E tomou logo o primeiro gol, marcado por Everton Cebolinha em passe de Gabriel Jesus passando facilmente por Trauco, cuja fragilidade defensiva o Maracanã já cansou de ver. Ele joga pelo Flamengo, afinal.

A seleção brasileira foi convocada para a Copa América sem a mais vaga preocupação com o futuro. Renovação? Isso fica para depois.

Foi mais ou menos essa a mensagem que Tite enviou a todos ao relacionar 14 atletas que menos de um ano antes estiveram na Rússia.

O técnico Tite, do Brasil, em partida contra o Peru, válida pela final da Copa América  2019, no estádio do Maracanã. Treinador precisa melhorar o futebol da seleção e buscar renovação. Foto: André Melo Andrade/Estadão Conteúdo
O técnico Tite, do Brasil, em partida contra o Peru, válida pela final da Copa América 2019, no estádio do Maracanã. Treinador precisa melhorar o futebol da seleção e buscar renovação. Foto: André Melo Andrade/Estadão Conteúdo| ESTADÃO CONTEÚDO

Foram mantidos os três goleiros que foram ao Mundial: Alisson, Ederson e Cássio. Na defesa, as novidades ficaram por conta de Éder Militão e Alex Sandro, este na na vaga de Marcelo, algo impossível de entender, dada a abissal diferença técnica entre os dois.

Novamente lembrados: Thiago Silva, Marquinhos, Miranda, Fágner e Filipe Luis. Danilo saiu para a convocação de Daniel Alves, mas o veterano de 36 anos só não jogou a Copa por causa de uma lesão. Caso reunisse condições físicas, viajaria para a Rússia com os demais.

No meio-campo houve a manutenção de Casemiro, Fernandinho e Philippe Coutinho e as novidades, que foram Allan, Arthur e Lucas Paquetá. Fred, Paulinho, Renato Augusto e Willian sobraram, mas quando Neymar se machucou, este último foi lembrado.

No ataque, inicialmente o camisa 10 e principal jogador, Gabriel Jesus e Roberto Firmino foram novamente chamados. Saíram Douglas Costa e Taison. Foi a vez de Everton Cebolinha, Davis Neres e Richarlison. Oito jogadores de pelo menos 30 anos, seis deles na defesa, além de um volante.

O objetivo de Tite era, independentemente da qualidade do jogo apresentado, erguer o troféu e, campeão, ganhar fôlego para seguir no cargo, a caminho da Copa do Mundo de 2022, no Catar. Dias antes da final, surgiu a notícia de que o técnico estaria insatisfeito.

Pode estar, por questões internas, devido à mudança no comando, com o amigo e diretor Edu Gaspar indo para trabalhar na Inglaterra (será dirigente do Arsenal, onde atuou como jogador), ou qualquer outra razão. Mas com a taça ele deverá ter mais paz, se quiser seguir.

Tite tem uma missão agora: renovar a seleção e apresentar a si mesmo um desafio, fazer seu time jogar mais futebol, desejar mais o gol, vencer adversários como o Peru com maior autoridade e facilidade. Ambição e bola bem jogada. O futebol brasileiro precisa disso.

**********

Queriam mais de Lionel Messi. Que ele fosse (no comportamento e liderança) como Diego Armando Maradona. Nunca será. El Diez é único! Mas o herdeiro da camisa de “D10S” encarnou na Copinha América um pouco de Diego.

É inegável que Messi assumiu postura de líder como nunca na albiceleste. Mudou de comportamento e protestou como nunca. Acusou a Conmebol, e aí pode ser cobrado a provar o que afirmou, mas não se omitiu, não se escondeu.

Não conquistou o troféu, ainda, mas ampliou, muito, o respeito dos argentinos por ele. E de torcedores espalhados pelo mundo. Vejamos se essa nova faceta do craque irá perdurar. Será interessante acompanhar os jogos de um Messi mais questionador, vibrante, ávido pela vitória, mais humano.

**********

Grêmio x Bahia, Athletico x Flamengo, Palmeiras x Internacional na noite de quarta-feira, Cruzeiro x Atlético na quinta. O futebol dos clubes brasileiros estará de volta neste meio de semana com os duelos pela Copa do Brasil em suas quartas-de-final.

TABELA: veja o chaveamento completo do mata-mata da Copa do Brasil

Foram mais de três semanas de interrupção nos jogos dos times daqui para a disputa da Copa América, período bom o bastante para que treinadores corrijam e aprimorem suas equipes. Poucos deverão apresentar boas novidades na reaparição em campo.

A expectativa não é das maiores, reflexo da limitação da maioria dos técnicos em atividade no país, exceto pela novidade Jorge Jesus, chegando de Portugal para o Flamengo, que desperta curiosidade e dúvidas. Especialmente porque ele não terá o tempo ideal.

Quando a bola bola a rolar, serão necessárias duas a três semanas para que tenhamos uma ideia sobre quem foi capaz de melhorar seu time, ou não. Ótimo momento para analisar a capacidade dos treinadores, entendendo as possibilidades de cada um com seus elencos.

Participe da conversa!
0

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.