Foto de perfil de Cristian Toledo

Cristian Toledo

Ver mais
Análise

Coritiba x Botafogo: virada alvinegra e desastre para o Coxa

Botafogo x Coritiba
Giovanni Augusto lamenta, uma cena comum nos últimos meses. Coritiba x Botafogo foi mais um jogo sofrido para o torcedor.| Foto: Albari Rosa/Foto Digital
  • PorCristian Toledo
  • 19/12/2020 22:57

Coritiba x Botafogo marcava o início de uma série fundamental para o Coxa. E o primeiro ato foi uma catástrofe. A derrota de virada por 2x1, na noite deste sábado (19), no Couto Pereira, deixou a equipe na penúltima posição do Campeonato Brasileiro e com cada vez menos chances de escapar do rebaixamento. A matemática permite continuar acreditando, mas o futebol é abaixo da crítica.

Com uma atuação razoável no primeiro tempo e terrível no segundo, o Coritiba não conseguiu segurar o resultado diante de uma equipe desesperada. Os problemas aumentaram quando foi preciso olhar para o banco de reservas - quando Giovanni Augusto e Neílton saíram, o Coxa praticamente parou de jogar.

Coritiba x Botafogo: os times

Pachequinho dava uma sacudida no Coxa. Na lateral-direita, tirava Maílton para colocar Jonathan - ainda prefiro Maílton mal a Jonathan bem. No meio-campo, voltavam Matheus Sales e Matheus Galdezani, titulares absolutos, que desfalcaram o time na derrota para o Sport. E Neílton e Pablo Thomaz apareciam nos lugares de Robson e Ricardo Oliveira.

No ataque as mudanças eram profundas. O técnico interino tentava deixar o setor com maior explosão. Robson vive má fase técnica e não tem a mesma velocidade de Neílton. E Pablo Thomaz é um jovem, que poderia ganhar algumas jogadas de Marcelo Benevenuto e Kanu. Ricardo Oliveira é um jogador mais experiente e mais técnico, mas não estava levando vantagem diante de zagueiros mais fortes.

O jogo

Conhecendo o Coritiba como conhece, Eduardo Barroca mandou o Botafogo marcar a saída de bola alviverde. Seria preciso que a linha criativa do Coxa - Galdezani, Giovanni e Rafinha - conseguisse superar a dificuldade da transição defensiva para que o controle do jogo fosse dos donos da casa. E a partida realmente começou com o time carioca dentro do campo de ataque.

Rhodolfo é marcado forte por Pedro Raul. O Fogão pressionou o Coxa no começo do jogo. Foto: Albari Rosa/Foto Digital
Rhodolfo é marcado forte por Pedro Raul. O Fogão pressionou o Coxa no começo do jogo. Foto: Albari Rosa/Foto Digital

E com a falta de qualidade do Coritiba para sair da sua defesa, o Botafogo dominava amplamente a partida. Restava o contra-ataque. E assim saiu o gol, na boa troca de passes entre Giovanni Augusto e Neílton, que conseguiu pegar o rebote no reflexo para fazer 1x0. A pressão passava para o lado alvinegro. E o espaço começou a aparecer. Pablo teve uma chance para encaminhar a vitória, mas Diego Cavalieri defendeu.

O primeiro tempo terminou com equilíbrio de chances, apesar do Fogão ter mais posse de bola. O Coxa levava perigo nas jogadas de velocidade, os visitantes ameaçavam Wilson na bola parada. E como Galdezani fizera uma etapa abaixo do esperado, Pachequinho resolveu colocar Hugo Moura. Perdia-se na transição, mas se ganhava poder de marcação.

Momentos dramáticos

De um lado, a tentativa de manter o resultado. De outro, o desespero de quem perdia. Coritiba x Botafogo tinha contornos dramáticos no segundo tempo. O Coxa cedia mais terreno para o Fogão e voltava inteiro (inclusive Pablo Thomaz) para marcar. Mas o time carioca demonstrava a razão de estar na lanterna do Brasileirão, sem criatividade e dependendo só de Pedro Raul.

O contragolpe estava à disposição do Coritiba. Mas o time não acertava. Assim, o que era já complicado ficava angustiante para Pachequinho, que gritava desesperadamente à beira do campo. Até que Pedro Raul empatou a partida, num cruzamento de Cícero que passou por todo mundo e pegou Wilson de surpresa. Nesse momento, o Coxa já não tinha mais Neílton e Giovanni Augusto, e sim Mattheus Oliveira e Yan Sasse.

Foi um balde de gelo para os donos da casa. Sem poder ofensivo, o Coritiba era pressionado pelo Botafogo. E quando o VAR acionou Luiz Flávio de Oliveira para dar pênalti de Matheus Sales (como no jogo com o Corinthians, lance que a arbitragem está orientada a marcar), o drama se instalou de novo no Couto Pereira. Pedro Raul marcou e virou a partida. Só que o mesmo VAR viu que a falta de Kewin sobre Robson foi dentro da área. Mas Sabino perdeu. O Coxa afundou. E é cada vez mais difícil acreditar na permanência alviverde na Série A.

Participe da conversa!
0

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.