Disputando quatro competições, concomitantemente, e com um elenco relativamente modesto o Athletico tem conseguido resultados satisfatórios. Depois de assumir a liderança do Brasileirão, mesmo sem apresentar um grande futebol, veio a primeira derrota.

Não chegou propriamente a surpreender, afinal vínhamos apontando as deficiências da equipe, sobretudo no meio de campo, e a dificuldade para a marcação de gols. Considero uma derrota pedagógica para o Athletico. Ou, por outra, tanto o técnico Antonio Oliveira quanto os jogadores devem aproveitar as lições do revés para o Bahia.

Lições que passam por erros na troca de passes, pouca capacidade de circulação da bola na meia cancha - o que provocou o constante assédio dos baianos na grande área atleticana - e reduzidas chances para a marcação de gol. Sem esquecer, é claro, da instabilidade emocional de alguns, como Marcinho, por exemplo, que não precisava ter pisado no pé do adversário provocando a sua expulsão de campo.

+ Veja os próximos jogos do Athletico no Brasileirão

Quanto ao volante Richard considero normal a jogada que resultou na sua exclusão antes dos 15 minutos de jogo. A meu ver o árbitro interpretou mal a infração e precipitou-se na apresentação do cartão vermelho. O cartão amarelo bastava como punição.

O goleiro Santos saiu mal no lance do gol da vitória baiana, mas operou algumas grandes intervenções no curso da partida. David Terans mostrou categoria na marcação do gol. Resta saber como será o procedimento do comando técnico na recomposição do time para o jogo com a Chapecoense, na Arena da Baixada.

O esforçado Léo Cittadini pode substituir o também apenas esforçado Richard e o eficiente Khellven deve retornar a ala direita. O Brasileirão é longo e a temporada promete ser extenuante, afinal a Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana seguem e o Campeonato Paranaense ainda não terminou.

Participe da conversa!
0