O diretor técnico Paulo Autuori foi aos microfones e concedeu coletiva à imprensa no lugar de Bruno Lazaroni após a goleada do Athletico por 4 a 0 para o Operário, neste sábado (17), pelo Campeonato Paranaense. Foi a terceira derrota em três jogos do time de aspirantes na competição, onde a equipe ocupa a lanterna, sem nenhum ponto.

Com tom firme, Autuori defendeu o projeto do clube, manteve a responsabilidade pelas decisões estratégicas e de planejamento, e disse que o Furacão precisa tirar lições do revés para o Fantasma.

"Isso é responsabilidade minha. É uma projeção que fiz com o clube e os responsáveis, por isso estou aqui hoje. Não vamos alterar nada, de pegar uma equipe mais fraca e botar o principal para jogar. Todos sabem que os campeonatos estaduais não são parâmetros para mais nada, nem em São Paulo, nem no Rio. Perder de quatro, com uma equipe jovem, não é vergonha. Vergonha é ano passado estarmos em 19º lugar, que não condiz com que é o Athletico", disse o diretor.

Antes do Operário, o time de aspirantes vinha de derrotas para Cianorte e FC Cascavel fora de casa.

"Ninguém gosta de perder, mas não é incômodo nenhum. Teríamos incômodo se estivéssemos saído daquilo que havíamos planejado. Estamos tentando, no meio desse caos da pandemia, manter minimamente o nosso objetivo, que é, foi e será sempre preparar a equipe para a Sul-Americana", disse na entrevista.

O Furacão tinha a expectativa de usar os titulares antes da estreia da Sul-Americana, disputando dois jogos no Paranaense antes de enfrentar o Aucas-EQU, na próxima terça-feira (20), em Quito. Durante a paralisação dos treinos, o clube também não conseguiu marcar amistosos.

"Nosso objetivo é fazer duas partidas nesse início para dar mais andamento à primeira equipe e não vai mudar. Tem um planejamento, uma ideia clara, não circunstâncias. Não vamos abrir mão disso ou ter preocupação".

Ele continuou.

"Nós vamos definir quais jogos serão esses, não pelo adversário ou porque perdemos, mas que seja adequado com as viagens. Vamos fazer uma viagem que não é fácil. Gostaríamos de ter jogado, porque aí sim utilizaríamos a primeira equipe, mas não vamos utilizar a primeira equipe em função do que aconteceu no jogo anterior ou o adversário. Vamos ver o nosso calendário e o melhor momento. Só temos a ganhar com isso em termos futuros ao longo da temporada", reforçou.

Tabela: confira a classificação do Paranaense

Sobre a goleada, Autuori disse que a goleada vai servir de experiência ao elenco de aspirantes.

"É uma equipe extremamente jovem, com uma média quase beirando os 20 anos. Na minha carreira eu já perdi vários jogos de quatro, já pude participar também de vitórias de quatro, de cinco, e isso vai acontecer muito com eles. Esse foi o meu papo com eles no final. Cabe a eles entenderem que precisam trabalhar com equilíbrio nas alegrias e nas derrotas. Sabíamos das dificuldades de enfrentar o Operário, uma equipe de Série B e com jogadores experientes, mas como não tememos nada, não teria porque motivo não encarar esse desafio.

"Até o gol sofrido estávamos melhor, sofremos um gol de transição, num lance duvidoso, numa falta clara, e que originou o gol. É óbvio que são jogadores jovens. Precisamos entender esses momentos e ver que não é só isso na vida. Queremos que eles enfrentem dificuldades, e fora de campo também. Certamente saberemos tirar lições do que aconteceu".

Participe da conversa!
0