O Athletico confirmou nesta terça-feira (29) a contratação do lateral-direito Orejuela, emprestado pelo São Paulo até dezembro. O colombiano de 26 anos estava cedido ao Grêmio, onde teve duas passagens, e assinou contrato com o Furacão até o final da temporada. Ele assume a camisa 24.

“Todos sabemos que o Athletico sempre está disputando finais, ganhando competições, campeonatos internacionais. É um clube maravilhoso para jogar. Eu cheguei agora aqui para ganhar, para cumprir os objetivos do clube”, disse ao site oficial.

Orejuela surge como a nova aposta da diretoria para a disputa da Libertadores. O sorteio da fase de grupos é no próximo dia 28 - o Furacão é cabeça de chave. O colombiano é a nova opção após o clube liberar Marcinho, que vinha sendo titular. As outras opções no setor são Dani Bolt, que tem atuado na lateral, além de Khellven.

Orejuela se junta a outros sete estrangeiros do elenco: o colombiano Nicolás Hernández; os uruguaios Agustín Canobbio, Davi Terans e Pablo Siles; o argentino Tomás Cuello e os equatorianos Bryan García e John Mercado.

Histórico

Luís Manuel Orejuela Garcia começou sua carreira no Deportivo Cali, da Colômbia, em 2014. Defendeu o clube até a temporada 2018, quando foi vendido ao Ajax. No clube holandês, ele atuou somente quatro vezes pelo time principal. Sem espaço, foi emprestado ao Cruzeiro, em 2019. Na Raposa, o lateral foi campeão mineiro e disputou 35 jogos no total, com dois gols marcados.

Na temporada seguinte, foi emprestado ao Grêmio, com 31 jogos disputados entre Libertadores, Campeonato Brasileiro e o Estadual. Marcou um gol e esteve no elenco que conquistou o título do Campeonato Gaúcho.

O jornalista Rodrigo Oliveira, da Rádio Gaúcha e Zero Hora, relembra com detalhes a primeira passagem do colombiano no Tricolor gaúcho.

"Ele disputava posição com o Victor Ferraz, e foi um bom lateral-direito do ponto de vista ofensivo, embora tivesse algumas dificuldades na marcação, enquanto o Ferraz era o oposto. O Renato (Portaluppi) usava os dois, mas o Orejuela deu uma boa resposta ofensivamente, tanto que o Grêmio tentou comprar, e só não o fez porque o Cruzeiro depois de fechar o negócio, pediu mais e o Grêmio se irritou", disse ao UmDois Esportes.

Em 2020, se transferiu para o São Paulo, com o custo de R$ 13,5 milhões na epóca. Logo na estreia, animou a torcida e marcou um gol contra o Rentistas-URU, pela Libertadores. Porém, acabou tendo uma passagem discreta pelo Morumbi, com lesões e sem aproveitar as chances, e atuou apenas 15 vezes em 2021.

Fora dos planos do técnico Rogério Ceni no Tricolor, o lateral novamente emprestado ao Grêmio em dezembro de 2021, após as saídas de Rafinha e Vanderson, mas só atuou em oito jogos em 2022, todos como titular. Com o São Paulo, o jogador tem contrato até 31 de março de 2025.

"Com base nessa memória de 2020, o Grêmio contratou o Orejuela novamente, só que foi outro Orejuela, tanto na defesa quanto no ataque. Na defesa ele era driblado com facilidade, e no ataque não gerava perigo aos adversários", diz Rodrigo.

"Dois jogos em especial queimaram bastante ele, a derrota para o Mirassol, ele foi driblado com facilidade em um dos gols, e o GreNal, na primeira fase. Naquele jogo, o Moisés tomou conta do flanco em cima do Orejuela. Aí o Roger (Machado) tirou, e colocou o Rodrigues improvisado, e foi muito melhor", detalhou o jornalista.

Orejuela teve duas passagens pelo Grêmio e pertence ao São Paulo
Orejuela teve duas passagens pelo Grêmio e pertence ao São Paulo| Conmebol e Lucas Uebel/Grêmio

E no Athletico?

Rodrigo Oliveira opinou sobre o que esperar do rendimento do colombiano no Athletico.

"Se o Orejuela no Athletico for o mesmo de 2020 no Grêmio, pode ser um bom reforço na questão ofensiva. Mas, o de agora, de janeiro a março de 2022, não serviria nem para o Athletico e nem para nenhum time grande, porque ele foi muito mal".

Já o jornalista e comentarista Guilherme de Paula, da Rádio Transamérica e da Rede Massa, analisa o cenário da contratação de Orejuela, e a necessidade de reforçar o elenco para a Libertadores.

"É natural que o Athletico recorresse a uma escolha com mais experiência, mas ela se explica mais pela experiência do que pela qualidade que ele mostrou nos últimos clubes. É um lateral ofensivo, de força física, mas com alguns problemas técnicos, principalmente defensivos. Ele vai ter que recuperar o que se imaginava que viraria no começo da carreira. Essa passagem pelo futebol brasileiro nunca confirmou isso, e agora ele vai ter uma oportunidade de se recuperar. Não é um jogador barato, mas que chega para ser titular", disse.

Guilherme também analisou as dificuldades de mercado para contratar lateral-direito.

"O mercado para lateral-direito é bastante complicado, até no futebol mundial. Você vê um Barcelona recorrendo a um Daniel Alves, um jogador histórico, mas já em reta final de carreira. E também a seleção brasileira, com essa falta de renovação. Não é uma posição simples. O Marcinho era titular absoluto, mas com situações polêmicas, e também tecnicamente mostrava problemas, mas hoje ele seguiria como titular, mesmo com o Orejuela. O Athletico está apostando muito pela trajetória e bagagem do Orejuela e na tentativa de recuperá-lo", avalia o comentarista.

Reforços

Os últimos reforços trazidos pelo Athletico são os volantes Hugo Moura (Flamengo), Matheus Fernandes (Palmeiras) e Bryan García (Independiente del Valle); os meias Agustín Canobbio (Peñarol), Marlos (Shakhtar Donetsk) e Vitor Bueno (São Paulo) e os atacantes Marcelo Cirino (Bahia), Pablo (São Paulo), Tomás Cuello (Red Bull Bragantino) e Vitinho(Dínamo de Kiev-UCR).

Participe da conversa!
0