Após sete temporadas, o meia-atacante Nikão definiu a sua saída do Athletico. Foram 314 jogos com a camisa rubro-negra, desde a chegada em janeiro de 2015 à saída em dezembro de 2021, que colocam o camisa 11 entre os maiores jogadores da história do clube.

Com seis títulos conquistados, Nikão está entre os maiores campeões da história rubro-negra. Ele só fica atrás de Gustavo, Adriano Gabiru e Santos, com sete, e Flávio, com oito. Ele também é o maior artilheiro do Athletico na história da Sul-Americana e é o jogador que mais entrou em campo pela Libertadores com a camisa atleticana, com 21 jogos disputados.

O UmDois Esportes relembra alguns momentos da trajetória de Nikão no Furacão:

A chegada

Nikão foi contratado pelo Furacão em janeiro de 2015, vindo do Ceará, aos 22 anos e com nove quilos acima do peso. Os direitos, na época, pertenciam ao Atlético-MG. O interesse no jogador era antigo. Com apenas 15 anos, ele despertou o interesse de Mario Celso Petraglia, quando ainda atuava em categorias de base.

 Nikão, em sua chegada ao Athletico, em janeiro de 2015 (Foto: Arquivo/Athletico)
Nikão, em sua chegada ao Athletico, em janeiro de 2015 (Foto: Arquivo/Athletico)

A estreia

Nikão vestiu a camisa do Athletico pela primeira vez no dia 26 de fevereiro de 2015, na derrota para o Foz do Iguaçu, por 1 a 0, pela primeira fase do Campeonato Paranaense. Vestindo a camisa 11, ele foi titular da equipe comandada pelo técnico Claudinei Oliveira.

Estreia de Nikão no Athletico, em 2015
Estreia de Nikão no Athletico, em 2015| Arquivo Gazeta do Povo

O primeiro gol

Nikão balançou a rede pela primeira vez pelo Furacão em maio de 2015, na goleada sobre o Nacional por 5 a 0, na Arena da Baixada, na última rodada do Torneio da Morte daquele ano. No final do jogo, Nikão sofreu pênalti, e ele mesmo cobrou, completando a goleada. Em seu primeiro ano de Furacão, ele terminou a temporada com seis gols (Nacional, Joinville [2], Figueirense, Vasco e Ponte Preta).

 Contra o Nacional, o primeiro gol de Nikão (Foto: Arquivo/Gazeta do Povo )
Contra o Nacional, o primeiro gol de Nikão (Foto: Arquivo/Gazeta do Povo )| Gazeta do Povo

Golaço em Atletiba

O meia-atacante marcou um golaço de cobertura sobre o rival Coritiba, na conquista do tricampeonato paranaense, em 2020. O Athletico venceu por 2 a 1, no Couto Pereira, coroando mais um título com a camisa atleticana.

Nikão selou a vitória na conquista do tricampeonato paranaense (Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes)
Nikão selou a vitória na conquista do tricampeonato paranaense (Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes)

Remontada com brilho de Nikão

A caminhada do título da Copa do Brasil contou com a estrela de Nikão. Referência da equipe campeã, o jogador cresceu na hora em que o Furacão mais precisava. Decisivo, assumiu o protagonismo, especialmente nos momentos decisivos do Athletico. Foi dele o gol que abriu o caminho da vitória sobre o Grêmio, por 2 a 0, que levou a decisão da vaga para a final da Copa do Brasil para os pênaltis.

Nikão marca na partida épica contra o Grêmio na Copa do brasil (Foto: Jonathan Campos/Arquivo Gazeta do Povo)
Nikão marca na partida épica contra o Grêmio na Copa do brasil (Foto: Jonathan Campos/Arquivo Gazeta do Povo)

Carinho com a taça

Uma foto marcante de Nikão pelo Athletico é a imagem do jogador abraçado com a taça da Copa do Brasil, em 2019, inédita na história do clube.

Protagonista contra o Flamengo

Para chegar em sua terceira final da Copa do Brasil, o Athletico passou por cima do Flamengo na edição 2021. Com uma atuação perfeita, o Athletico eliminou o badalado time carioca com uma vitória por 3 a 0, em pleno Maracanã. Em noite de gala, Nikão fez dois gols - o primeiro, de pênalti, e o segundo no final da primeira etapa, coroando uma das melhores atuações do jogador com a camisa atleticana.

Nikão comemora gol no Maracanã
Nikão foi decisivo para o Athletico no Maracanã.| Gustavo Oliveira/Athletico

Golaço do título

Final da Sul-Americana 2021, Montevidéu, Uruguai. Nikão foi o protagonista do bicampeonato do Athletico na decisão do título contra o Red Bull Bragantino, garantindo a segunda taça internacional para o clube. Aos 29 minutos do primeiro tempo, o camisa 11 do Athletico fez mágica com a perna canhota, com um chute de voleio que ainda bateu caprichosamente no pé da trave esquerda antes de estufar a rede. A pintura virou tatuagem em dezenas de atleticanos (veja aqui: Atleticanos tatuam gol de Nikão que deu o título da Sul-Americana).

Voleio mágico de Nikão. Divulgação/Conmebol.
Voleio mágico de Nikão. Divulgação/Conmebol.| Divulgação/Conmebol.

Artilheiro da Sula

Nikão sai do Athletico com o nome cravado na história do clube. Ele é o maior artilheiro do Athletico na história da Sul-Americana, com nove gols - quatro gols anotados na campanha do primeiro título, em 2018 (dois contra o Newell's Old Boys, um diante do Peñarol e um contra o Fluminense) e outros cinco na conquista de 2021 (dois contra o América de Cali, um contra o Peñarol e um diante do Red Bull Bragantino (eleito o melhor jogador da partida).

Nikão eleito o melhor em  campo na final da Sul-Americana 2021
Nikão eleito o melhor em campo na final da Sul-Americana 2021| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes

Nos braços da torcida

Uma das imagens mais emblemáticas de Nikão no Athletico foi em seu último contato mais perto da torcida. Literalmente. No embarque do Furacão para o primeiro jogo contra o Atlético-MG, na final da Copa do Brasil, o jogador foi carregado nos braços de torcedores no aeroporto Afonso Pena.

Nikão foi carregado pelos torcedores no embarque para Belo Horizonte, na final da Copa do Brasil
Nikão foi carregado pelos torcedores no embarque para Belo Horizonte, na final da Copa do Brasil| Reginaldo Reginato
Participe da conversa!
0