Relendo as fichas dos jogos, comparando as estatísticas do ano, e participando da reunião dos caras para comemorar o título, percebi que aquele time de 2001 confirma dois clichês muito usados no futebol, quase sempre de forma mentirosa, quais sejam:

"Não existem titulares nem reservas"

Em geral, existem sim. Todo mundo sabe quem é quem e geralmente o ambiente fica uma bosta por causa disso. No caso daquele time, não era bem assim, e os números comprovam.

Todos os jogadores foram usados pelo menos uma vez num tempo de apenas três substituições regulamentares.

14 jogadores diferentes marcaram gols, alguns definindo vitórias importantes.

O vice-artilheiro foi o craque Souza, mas na foto do título está Adriano. Ilan sempre que entrou decidiu, inclusive abrindo o caminha do título na final com o São Caetano. Adauto garantiu pontos fundamentais contra os Botafogo do Rio, São Paulo, América-MG, Bahia e Internacional. Até o jovem Dagoberto teve seus minutos nas partidas finais.

Arquivo/GRPCOM
Arquivo/GRPCOM

Na zaga, o trio se desfazia muito por causa de suspensões e cartões, mas Igor e Daniel jogavam naturalmente no 3-5-2. "Eu joguei 70% dos jogos", lembra o bom e discreto volante Pires, que entrava quase sempre para garantir uma vitória.

"Nosso grupo é uma família"

Geralmente, esse papo é furadíssimo. O futebol é ninho de cobras vaidosas. Quem ganha menos, quase nunca ama de verdade os que ganham mais. Quem não joga, torce muitas vezes para o titular ser expulso e por aí vai.

No caso daquele time, em especial, parece que não era assim mesmo.

Talvez o consórcio recreativo da Casa do Dindo e a cobrança pública que o grupo levou os tenha unido a ponto de nos momentos finais o pessoal preferir se fechar no CT do Caju.

O título tornou a amizade indissolúvel a ponto de quase todos renovarem com o Athletico em 2002, em condições até menos favoráveis que outras propostas. Parecia mesmo um crime desfazer aquele grupo.

Com o passar do tempo, pelo menos dez jogadores se mudaram para Curitiba. Muitos trabalharam ou ainda trabalham no clube. Cocito foi de ônibus ver a final da Sul-Americana, vencida pelo Furacão, em Montevidéu.

Os caras mantêm um grupo de WhatsApp, uma quadra para peladas e um espaço para churrascos em conjunto e, quando resolveram comemorar o título, quase todos vieram de todos os cantos do Brasil. Na festa (foto abaixo), pareciam um grupo de colegiais numa viagem para a praia.

Festa da comemoração dos 20 anos do título brasileiro. Reinaldo Reginato/Foto Digital/UmDois Esportes
Festa da comemoração dos 20 anos do título brasileiro. Reinaldo Reginato/Foto Digital/UmDois Esportes| Reinaldo Reginato

"É até emocionante falar. Estou no futebol há 30 anos e até hoje nunca vi outra equipe como foi esse Athletico de 2001, nunca vi e nunca vou ver. Lógico que cada um tem seu grupo, mas igual a nós não! A preocupação que cada um tem dentro e fora de campo, da maneira de se cobrar, de cobrar o companheiro, se hoje a gente está aqui é porque a gente cobrava para o lado bom! É um grupo fantástico, isso ninguém vai apagar", define o ex-lateral Alessandro.

Um dos líderes do time dentro e fora do campo, o ex-volante Cocito destaca um o vestiário fantástico e faz questão de ressaltar que o papel de Geninho na gestão do elenco.

"Futebol é mais do que só tática, é gestão de pessoas, de relacionamento. Aquele cara que não está jogando, que não joga há dez partidas, vai decidir no final. O Ilan fez o nosso gol na final. Se ele estivesse lá, cabisbaixo, com uma energia negativa será que ele faria o gol? Então é deixar todos em ponto de bala com o pézinho calibrado. Ele falava para os caras ficarem na pontinha dos pés, deixava todo mundo se sentindo importante, o que o ser humano quer hoje em dia é isso, ele quer ser ouvido, essa é a sacada, como as pessoas vão gerir isso. A tática é um mero detalhe", sentencia o ex-volante.

"Futebol é mais do que só tática, é gestão de pessoas, de relacionamento"

Cocito

Sandro Moser é jornalista, escritor, autor da biografia "Sicupira - Vida e gols de um craque chamado Barcímio". Convidado pelo UmDois Esportes, o atleticano encarou o desafio de recontar a odisseia atleticana que completa 20 anos.

Leia todos os episódios da série especial sobre os 20 anos do título do Athletico de 2001

Veja fotos exclusivas do Athletico de 2001!

Participe da conversa!
0