Novo comandante do Paraná, o técnico Sílvio Criciúma iniciou seu trabalho nesta semana, tendo o primeiro contato com elenco no CT Ninho da Galha, e respondeu perguntas da imprensa na manhã desta terça-feira (27).

O treinador falou sobre diversos assuntos, como objetivo do clube no returno, reforços, utilização da base e expectativa do seu trabalho.

Técnico pouco conhecido no cenário nacional, Sílvio Criciúma começou como auxiliar-técnico do Criciúma. Depois comandou clubes de menor expressão, estreando no Hermann Aichinger-SC, e passando por Trindade, Aparecidense, Itumbiara, Grêmio Anápolis, Central e ABC, além do sub-20 e principal do Goiás, em 2017 - até então, o grande clube da sua carreira.

+Veja a tabela completa da Série C

Com um currículo modesto, parte da torcida se mostrou contrária à vinda do treinador ao Paraná, principalmente pelo clube atravessar uma crise financeira e técnica, precisando de um melhora imediata.

"Acho que se o Paraná contratasse o Tite, sofreria rejeição de um lado. Futebol hoje está desta forma. A rede social está muito ativa e, na rede social, temos ali uma divisão de opositores e torcedores rivais agindo nas páginas do clube. Eu não me importo com isso, serei avaliado pelo resultado final, pela minha passagem final, e isso não me impede de acordar todos os dias motivado para realizar meu trabalho e o melhor pelo Paraná", afirmou, em entrevista coletiva.

Sílvio Criciúma estreia no comando técnico do Tricolor na próxima segunda-feira (2), às 20h, na Vila Capanema, contra o Ypiranga, líder do Grupo B.

Veja mais trechos da primeira entrevista do treinador Sílvio Criciúma:

Objetivo no returno da Série C

"Realmente, houve uma oscilação. O primeiro tempo abaixo, e o segundo tempo um pouco melhor. E essa oscilação se deu no campeonato, é um fato a ser corrigido. A constância precisa ser buscada. Precisamos urgentemente reverter a situação geral, de pontuação, de números de gols marcados, de gols sofridos para que a gente tenha um aproveitamento melhor para o returno. Ao final do turno, ficou bem dividido, cinco equipes na frente com um distanciamento para os times debaixo e aquele que conseguir desgarrar bem destes debaixo pode chegar nos de cima e brigar pela classificação. E esse é o nosso objetivo".

Ajustes na equipe

"O raciocínio é lógico. Uma equipe quando não tem os melhores resultados, provavelmente é porque está tomando mais gols do que está fazendo. Então, esse ajuste é necessário. Até para que toda equipe tenha mais confiança. E o setor defensivo precisa dar essa consistência, essa segurança para os meias e atacantes produzirem as suas jogadas ofensivas e, logicamente, todos esses mencionados do setor defensivo tem uma colaboração ofensiva muito grande".

Chega como indicação da FDA Sports?

"Eu fui contratado pelo Paraná. Represento o clube, pelo objetivo do Paraná na competição. Vejo essa oportunidade como um grande passo na minha carreira, uma oportunidade única, de um grande clube, de uma camisa muito pesada. Enfrentei várias vezes o Paraná como atleta e sempre foi muito difícil jogar contra. O Paraná precisa resgatar essa identidade de equipe, que sempre esteve na primeira divisão do Brasileiro e que quando escapou esteve na Série B".

Chegada de novos meias ao elenco

"Esses atletas chegaram mais para o fim dos últimos, não reúnem ainda as melhores condições e nós precisamos do atleta no mais alto nível possível, não adianta exigir de um atleta o que ele não tem a oferecer. Então, é discorrer a semana, eu já fiz dois treinamentos na segunda-feira, mais um hoje, está sendo importante para eu ter um entendimento melhor dos atletas e as peças irem se encaixando para ter a formação mais forte possível para o jogo de segunda-feira contra o Ypiranga".

Chega em meio às eleições no clube

"A maioria dos meus trabalhos, é o 11º agora, foi desta forma, de tirar a equipe de uma situação complicada. Então, independente de questão política, eu vim para fazer esse tempo no Paraná e quero ficar até o último dia das datas disponíveis do campeonato, brigando pelo título e fazendo meu melhor possível".

Montagem desproporcional do elenco

"Isso não acontece somente no Paraná. A montagem do elenco é muito importante no início da temporada e falhas é natural. O ideal é que tenhamos 22 atletas no mesmo nível, dois para cada posição e com mais alguns para reforçar o elenco. Como aconteceu em outras equipes, eu assumi o grupo e dali criar um clima diferente, um ajuste com as peças que tivemos na mãos, mas será feito o melhor possível. Uma mudança de treinador sempre gera algo novo, e esperamos que esse algo novo seja positivo pela necessidade de resultado que temos no returno".

Maior utilização das categorias de base

"Eu vou usar o elenco à disposição, o que for melhor. É muito positivo ter os atletas da base representando o Paraná, isso nas condições atuais do futebol é muito interessante. O Neymar foi campeão paulista com 16 anos, então um atleta com 18 anos tem que estar preparado para vestir a camisa do clube. Acompanhei a atuação desses atletas e, com um dia de treinamento, já consegui identificar, analisar o potencial, ver as possíveis melhoras que podem ser realizadas. Mas não somente nos jovens, como no geral no elenco para buscar esse equilíbrio de equipe para representar muito forte e conseguir as vitórias".

Veja como foi a apresentação do novo técnico ao elenco do Paraná

Participe da conversa!
0