A nova diretoria do Paraná assumiu o clube oficialmente há uma semana. Liderados por Rubens Ferreira, o Rubão, os membros têm trabalhado em várias frentes em busca de uma reestruturação do clube.

Com o Tricolor rebaixado à Série D, o desafio é ainda maior. Todo o planejamento inicial elaborado teve que sofrer alterações com a nova queda. Em entrevista coletiva, na última segunda-feira (20), o presidente e seus aliados falaram sobre os planos em diversas áreas do clube. Veja os principais pontos.

Comissões e comitês criados em 2021 vão seguir ativos

"Vamos manter as comissões e os comitês. O Luiz Pimenta continua coordenando todo o processo. Todos que estão nos comissões são voluntários. Os comitês, as comissões e os programas serão mantidos conforme consta nas nossas premissas do plano de gestão", diz Rubens Ferreira.

Rentabilizar os patrimônios

"Temos que rentabilizar o que temos hoje. E nós somos inquilinos, nós não somos proprietários em quatro sedes. O CT e a Vila temos despesas, mas não são nossos. Temos a Vila Olímpica, mas sem a base. Temos a Kennedy, que era um espaço antes social, mas não temos mais. Mas temos todas as despesas. Todos estão sendo tratados e contamos com a colaboração de todos", afirma Ferreira.

Futuro da Kennedy

Sede da Kennedy.
Sede da Kennedy.| Arquivo/Tribuna

"Lá já arrendamos várias áreas, a do fut7, o futsal já é arrendado, a academia, o ginásio de esportes, o estacionamento. Então, já temos uma rentabilidade que vai deixar aquela sede a quase zero para o clube", destaca Ailton Barboza de Souza, 1º vice-presidente e responsável pela comissão da sede da Kennedy..

Segundo o vice-presidente paranista, o objetivo é terceirizar as áreas e tirar o custo do clube.

"A esperança é que, com o encerramento do estado de pandemia, temos parceiros e investidores já aguardando para que possa viabilizar aquela alteração de forma que possa ao clube ter uma rentabilidade. De certa forma, tirando essa despesa do clube, no qual não terão mais funcionários ali, todos serão terceirizados, cada parceiro terá seu custo. Além disso, o clube tem um valor de contrato com o Espaço Torres, que rende uma valor anual e esse seria o lucro teórico do clube que a gente tiraria da Kennedy", frisa.

Salários atrasados em 2021

"Nós pagamos uma folha, mas temos atletas que tem valores a receber, muito antes. Continuamos buscando recursos, mas não é fácil fazer isso quando você para de jogar antes. Estamos correndo atrás", declara Rubens Ferreira, que não quis dar uma data para novos pagamentos.

Patrocínios mais baixos

| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois

"Hoje, o clube é de Série D e temos que buscar os patrocinadores. Talvez não tenhamos grandes parcerias, mas se tivermos dez a R$ 20 mil cada, não é R$ 200 mil. Na conta que eu faço, ainda temos 20% que vai para a central de penhoras, porque precisamos manter essa centralização de penhoras", completa Rubens Ferreira.

FDA e futuras parcerias no futebol

"A parceria já não começou legal. Qualquer acordo ou parceria que comece a enroscar de inicio, já está com a vida curta. Nós não tivemos sucesso com a FDA", lamenta Rubão.

O presidente destacou ainda que o clube está aberto a novas parcerias. "Estamos buscando parcerias. Mas, se você vai fazer uma parceria, você tem que ter garantias, para não cair mais numa situação igual a essa da FDA", ressalta Ferreira.

Participe da conversa!
0