A situação do Paraná é bastante complicada, com o rebaixamento inédito para a Série C do Campeonato Brasileiro. Após a queda, a diretoria interina do Tricolor já começa a planejar a temporada 2021 - que terá início já no fim deste mês, com a disputa do Campeonato Paranaense.

A expectativa é que um novo executivo de futebol lidere a reformulação do elenco, sem contar com a terceirização do setor, assim como no ano passado, e com pouco dinheiro disponível. No momento, o Paraná vem sendo comandado pelo presidente interino Sérgio Molletta, que deve ficar no cargo até o final desta temporada.

Com isso, o dirigente tem se reunido com membros da nova diretoria para definir os rumos do Tricolor. Com a queda para a Série C, o Paraná inicia a nova temporada com uma dura realidade, já que não contará com o dinheiro das cotas de televisão. E não é só isso.

Com o rebaixamento, o clube também pode sofrer com outras consequências, como perda de sócios, queda de patrocínios e a falta de visibilidade para negociar atletas, já que a Terceirona não tem um mercado atrativo. Sendo assim, a nova gestão se prepara para trabalhar com o pior cenário, e garante que está aberta para novas parcerias.

Missão desafiadora está nas mãos do presidente Sérgio Molletta. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes.
Missão desafiadora está nas mãos do presidente Sérgio Molletta. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes.| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois

Terceirização do futebol do Paraná

Uma das possibilidades que vinha sendo ventilada desde 2019 era a terceirização do futebol do Paraná, o que gerou grande expectativa da torcida nos últimos anos. Entretanto, não há nenhuma perspectiva para que isso aconteça nos próximos meses, já que dependeria de muitas avaliações e decisões dos conselhos do clube.

Sendo assim, a situação fica ainda mais complicada para 2021. Com apenas um mês de trabalho, a nova gestão terá pouco tempo para pensar no futebol e colocar o trem nos trilhos novamente já para o Campeonato Paranaense.

A ideia da nova diretoria é colocar em campo atletas revelados nas categorias de base, como os casos do lateral-direito Paranhos, o zagueiro Guilherme Lacerda, o volante Kriguer e os atacantes Lucas Sene, Helbert e Mikael, que já vinham treinando com o elenco profissional.

O volante Kriguer era um dos atletas da base que vinha treinando com o elenco principal. Foto: Rui Santos/Paraná.
O volante Kriguer era um dos atletas da base que vinha treinando com o elenco principal. Foto: Rui Santos/Paraná. | RUI

Ao mesmo tempo, a diretoria pretende vender direitos econômicos de jogadores que se destacaram na temporada e que possuem contratos mais longos, como o lateral-direito Paulo Henrique e o meia-atacante Thiago Alves.

A disputa do Campeonato Paranaense servirá como um parâmetro para que o clube identifique as carências para a Série C. A grande questão é que o Tricolor terá uma competição de fundamental importância já em março: a Copa do Brasil. Ficar sem o dinheiro das premiações seria ainda mais prejudicial ao clube.

O grande objetivo mesmo na temporada será o retorno à Série B. Uma missão que não será das mais fáceis.

Participe da conversa!
0