O Paraná precisa repetir um feito que apenas Ceará e Figueirense conseguiram, em 14 anos, para permanecer na Série B.

Desde o início da era dos pontos corridos, em 2006, apenas dois clubes que estavam três pontos abaixo da primeira equipe fora da zona de rebaixamento na 31ª rodada conseguiram escapar da queda. Faltando justamente sete jogos para o fim do campeonato, o Tricolor ocupa a 18ª colocação, com 32 pontos – a três de distância de Náutico e Figueirense, equipes que lutam pela permanência.

De 2006 até 2014, todas as equipes que estavam nessa situação foram rebaixadas à Série C. O Ceará foi a primeira exceção, em 2015, com uma campanha de recuperação incrível.

Na 31ª rodada, o Vozão estava com 29 pontos, a seis do Macaé, primeiro fora da degola. Terminou o campeonato na 15ª posição, com 45 pontos. Conquistou 16 pontos dos últimos 21 jogados.

Semelhança com o Figueirense

A situação mais próxima com a do time paranista é a do Figueirense, em 2019. O clube Alvinegro se encontrava na 17ª colocação, com os mesmos 32 pontos do Paraná atualmente, mas com menos vitórias que seu adversário na disputa na ocasião, o Londrina.

O Figueira deixou a ZR na 35ª rodada e escapou com 41 pontos, empurrando o Tubarão para a Série C, com 39.

Para o diretor de futebol Felipe Gil, que trabalhou no clube catarinense na campanha contra a queda, o Tricolor pode aprender com aquele exemplo.

"A lição é ter um vestiário sólido, que a gente consiga mobilizar os atletas, todo clube, além de ter um bom ambiente de trabalho. Temos concorrentes diretos pela frente, equipes brigando pelo acesso, mas todos estando cientes de que o Paraná é maior que todos nós, eles podem fazer com que a gente consiga a permanência", disse Felipe Gil, em entrevista à Rádio Transamérica.

A primeira dessas finais acontece nesta segunda-feira (4), contra o Botafogo-SP, vice-lanterna e concorrente direto, na Vila Capanema. Apenas seis pontos separam as equipes na tabela.

Participe da conversa!
0