Em um vídeo vazado de uma reunião realizada em 10 de março, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, afirma aos clubes que não vai suspender as competições enquanto os estados brasileiros elevam o rigor das medidas de isolamento para conter a pandemia de Covid-19. O vídeo foi publicado pelo jornalista Venê Casagrande, do jornal O Dia.

"Eu não abrirei mão, a não ser sob doutorado dos senhores, de jogar as competições nacionais, o que repercutirá nas internacionais e incorporará as estaduais...Então, por gentileza, vamos pensar agora: nós podemos parar o futebol? A Rede Globo não quer. Eu estou assegurando que não. Ninguém quer, seus patrocinadores não querem. E, se parar, sabe quando nós temos a segurança de dizer que a gente pode voltar? Nunca. No dia em que o governador do Mauricio disser que pode. No dia em que o prefeito de São Nunca disser que pode... Eu não vou estar à mercê de nenhum deles", garantiu Caboclo.

"Eu vou mandar no futebol brasileiro e vou determinar que vai ter competição. Porque vocês estão f... se não tiver. Eu assumo o ônus por todos vocês", prosseguiu Caboclo aos presidentes de clubes.

Entre os dirigentes de clubes que aparecem na reunião estavam os presidentes Sérgio Coelho (Atlético-MG), Guilherme Bellintani (Bahia), Duílio Monteiro Alves (Corinthians), Rodolfo Landim (Flamengo), Maurício Galiotte (Palmeiras) e Jorge Salgado (Vasco).

Como várias cidades vetaram os jogos, a CBF está marcando partidas da Copa do Brasil em diversos estados que não tenham clubes envolvidos. Palmas (TO) x Avaí (SC) foi marcado para Cascavel, no Paraná, por exemplo.

A pandemia já afetou 16 campeonatos estaduais no Brasil. A Federação Paulista, proibida de realizar jogos em São Paulo, negociou com a prefeitura de Volta Redonda uma barganha para mandar os jogos no Rio de Janeiro. A entidade se comprometeu a doar equipamentos necessários para a montagem de 10 leitos de UTI na cidade fluminense.

A Globo se defendeu das declarações de Caboclo por nota oficial.

"Como vem fazendo desde o início da pandemia há mais de um ano, a Globo segue respeitando as orientações dadas pelas autoridades competentes e acompanhando as decisões dos organizadores das competições. Entendemos que o momento é de cautela, e que a prioridade é a segurança de todos. Vamos seguir e respeitar todos os protocolos que forem definidos e decididos pelas entidades.”

Participe da conversa!
0