O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, foi afastado da presidência por 30 dias após uma denúncia de assédio sexual e moral por parte de uma funcionária da entidade. A decisão partiu da Comissão de Ética da CBF, após as acusações contra Caboclo virem a público.

Desta maneira, o vice-presidente mais velho, Antônio Carlos Nunes, assume o comando da CBF durante o período de afastamento. Caboclo já vinha sendo pressionado por patrocinadores e outros dirigentes da seleção a deixar o cargo.

O afastamento de Caboclo acontece em meio à crise que acomete os bastidores da seleção por causa da renúncia dos jogadores e do técnico Tite em disputar a Copa América, que será realizada no país, após as recusas de Chile e Argentina para sediar a competição.

Ainda neste domingo (6), o apresentador do SporTV, André Rizek, trouxe a informação de que Caboblo havia prometido ao governo federal, do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que demitiria Tite após o jogo contra o Paraguai, terça-feira, pelas Eliminatórias.

Caboclo é afastado em meio à crise da Copa América

A relação de Rogério Caboclo com os jogadores e comissão técnica da seleção brasileira já era considerada insustentável. Existe a expectativa de que jogadores e comissão anunciem um boicote à Copa América no Brasil após a partida contra o Paraguai, pelas Eliminatórias, na próxima terça-feira (8).

O grupo está insatisfeito com a gestão de Caboclo. Para começar, os jogadores ficaram sabendo pela imprensa e pelas redes sociais que a disputa da Copa América seria realizada no país. Houve forte sentimento de insatisfação por não terem sido avisados pelo próprio Caboclo da situação.

O descontentamento dos jogadores foi então repassado ao técnico, Tite, e ao coordenador, Juninho Paulista. Em nova reunião com Caboclo, as coisas apenas pioraram. A postura do dirigente de que os jogadores seriam meros subordinados que deveriam acatar ordens insuflou ainda mais o elenco.

O descontentamento virou silêncio, quebrado apenas pelo capitão Casemiro, na última quinta-feira (4), após vitória sobre o Equador, no Beira-Rio, em Porto Alegre, pelas Eliminatórias. O volante do Real Madrid confirmou que o time todo e a comissão eram contrários à Copa América no país.

Quem é Rogério Caboclo?

Rogério Caboclo, 46 anos, é o 20º presidente da história da CBF. Ele foi eleito em 2018, mas assumiu o cargo apenas no ano seguinte, 2019. Ex-diretor do São Paulo, Caboclo iniciou trajetória na política do futebol brasileiro como apadrinhado de Marco Polo Del Nero, na Federação Paulista de Futebol.

Caboclo foi diretor financeiro da CBF na gestão de Del Nero, após a saída de José Maria Marin. Marin deixou a CBF após caso conhecido como "Fifagate", que rendeu sua prisão, em 2015. Desde então, estava em prisão domiciliar nos Estados Unidos.

Nesta semana, Marin, 87 anos, foi libertado pela Justiça dos Estados Unidos para retornar ao Brasil. Em 2018, foi a vez de Del Nero, mentor de Caboclo, ser banido pela Fifa por acusações de corrupção.

Participe da conversa!
0