Por ampla maioria, o Conselho Deliberativo do Coritiba reprovou as contas do último ano de mandato do ex-presidente do clube Samir Namur. 114 dos 144 conselheiros votaram pela reprovação do balanço financeiro de 2020.

As contas que foram reprovadas apresentaram déficit de R$ 22 milhões. O orçamento total previsto para 2020 era de aproximadamente R$ 100 milhões.

Com a decisão, segundo o estatuto do Coritiba, todos os membros do Conselho Administrativo da última gestão podem ficar inelegíveis por cinco anos. São eles o ex-presidente Samir Namur e os vices Jorge Durao, Paulo Baggio, Eduardo Bastos e Anibal Mesquita.

Agora, o Conselho Deliberativo irá criar uma comissão para apurar qual a responsabilidade de Namur nas contas reprovadas.

Por causa da pandemia e da paralisação do futebol por quatro meses em 2020, os clubes obtiveram perda significativa de receita com sócios, patrocínios e renda.

Outra dívida que acumulou em 2020 foi a do Profut, que parou de ser paga pelos clubes no ano passado após um Projeto de Lei para que os os pagamentos fossem suspensos durante a pandemia. Porém, após a aprovação na Câmara e no Senado, o presidente Jair Bolsonaro vetou e não sancionou a lei.

Os dois presidentes antecessores de Namur, Rogério Bacellar e Vilson Ribeiro de Andrade também tiveram as contas reprovadas depois de deixarem a presidência. Nas duas ocasiões, foram criadas comissões para apurar as contas, mas não foram constatados atos ilícitos para que os dirigentes respondessem criminalmente.

Samir Namur se defende e diz que reprovação do conselho do Coritiba foi por questões políticas

Procurado pelo UmDois, o ex-presidente Samir Namur se defendeu da reprovação dos conselheiros.

"A reprovação foi 100% política. Eu quero ver um clube com déficit menor que o Coritiba na pandemia. Talvez Flamengo e Palmeiras após os títulos. Só com receita de bilheteira que o Coritiba perdeu já dariam esses R$ 22 milhões. Nós tivemos que negociar um contrato com a Globo durante a pandemia. Só aí perdemos as luvas. Eu pergunto aos conselheiros que reprovaram as contas: qual empresa deu lucro em 2020?", argumentou Namur.

Samir Namur tentou a reeleição contra Renato Follador, eleito com a maioria dos votos (75%). Ao todo, a chapa de Follador ficou com 121 cadeira. João Carlos Vialle elegeu 32 membros para o Deliberativo, enquanto o grupo de Samir ficou com oito vagas no conselho.

Participe da conversa!
0