Após assinar contrato com o Coritiba na última quinta-feira (13), o zagueiro Henrique ainda não se apresentará imediatamente aos treinamentos do técnico Gustavo Morínigo.

Antes de iniciar a rotina do CT da Graciosa, o defensor de 34 anos irá a Dubai, onde sua família atualmente mora, para ajudar na mudança dos familiares para Curitiba. “O Henrique teve uma postura fantástica”, explica o gerente de futebol, Paulo Thomaz de Aquino.

“Na semana passada, quando foi acertada a rescisão do seu contrato com o Belenenses, ele teria que ir a Dubai buscar a família que está morando lá. Mas a gente externou a preocupação com a parte de documentação, exames, transferência internacional e pedimos que viesse a Curitiba antes”, prossegue.

Henrique defendeu o Al Ittihad Kalba, dos Emirados Árabes, na temporada 2019/20, antes de fechar o Belenenses. Agora, a tendência é de que o atleta retorne ao Coritiba dentro de uma semana. Vale lembrar que Henrique não pode mais se inscrito neste Campeonato Paranaense.

Negociação do Coritiba por Henrique se arrastou por mais de dois meses

Aquino, Henrique e Calluf no dia da assinatura de contrato
Aquino, Henrique e Calluf no dia da assinatura de contrato

A vinda de Henrique para o Coxa foi intermedida pelo empresário curitibano, Miguel Calluf, e pelo próprio Aquino, por parte do clube. Além da dupla, o próprio atleta desempenhou papel fundamental para que o Belenenses aceitasse liberá-lo sem exigir pagamento pela rescisão.

“O Henrique estava bem em Portugal, era titular e já havia negado o interesses de alguns clubes brasileiros da Série A. Mas quando levei até ele o interesse do Coritiba, pesou a identidade com o clube a cidade”, conta Calluf.

“Quando o Paulo Thomaz de Aquino apresentou a ele o projeto do Coritiba, a coisa ganhou força. É uma operação que não teve custos no sentido de compra, de transferência. O Henrique foi fundamental nisso”, complementa o empresário.

Mesmo após as negociações com o Coxa estarem avançadas, clubes como Sport e Juventude demonstraram interesse no atleta, que manteve o acordo com o Coxa.

“Nestes meses o Henrique acompanhou todos os jogos do Coritiba, a gente conversava após as partidas, quando já era madrugada em Portugal”, relata Aquino. “Ele chega 100% ambientado, a expectativa é muito positiva”, completa.

Contrato de dois anos tem como base sonho da Série A

Henrique no CT da Graciosa. Foto: Divulgação/Coritiba
Henrique no CT da Graciosa. Foto: Divulgação/Coritiba

Por fim, foi crucial para a volta do defensor a expectativa de defender o Coritiba na Série A em 2022.

“O Henrique não viria apenas pela identificação, se o projeto apresentasse não agradasse a ele”, explica Aquino. “Ele trocou a chance de uma Liga Europa pelo desafio da Série B. Ele quis dois anos de contrato porque quer jogar a Série A”, reforça

Os retornos ao Couto Pereira e ao CT, por sinal, emocionaram Henrique. "Quando chegamos ao campo do CT, do Couto, o Henrique estava muito emocionado. A gente via os olhos dele marejarem", relata Aquino.

Participe da conversa!
0