Estreia na temporada, jogo valendo a classificação e um ano inteiro pela frente. Tudo indicava que 2021 seria próspero para alavancar a carreira de Henrique Vermudt, mas uma lesão grave atrapalhou os planos do zagueiro do Coritiba. Contra o Rondonópolis, o jogador lesionou o ligamento cruzado do joelho direito e saiu de campo às pressas, logo aos 12 minutos da partida pela Copa do Brasil.

Ainda no gramado do estádio Luthero Lopes, o zagueiro ouviu o diagnóstico do médico do clube, Dr. Roberto Tauchmann. Tomado pela dor, o defensor de 22 anos viu que não era mesmo uma lesão simples. Em casos similares, a previsão de recuperação vai de seis a oito meses, tempo longo para um jogador que estava se firmando como titular e que tinha ganhado a confiança do técnico Gustavo Morínigo.

Em Belo Horizonte, o empresário Hélcio Alisk, esperava aflito por notícias atualizadas do zagueiro.

"Eu estava acompanhando o jogo e logo mandei mensagem para ele, preocupado. Vi que ele caiu, não se mexia e foi retirado de maca do campo. Pedi para ele me retornar assim que fosse possível, e depois ele deu a notícia da lesão. Ele tinha a esperança de que (o ligamento) não tivesse sido rompido, mas o médico já havia confirmado. Eu fiquei muito preocupado, mas ele está bem tranquilo, porque sabe que está em um clube que vai dar suporte total", contou o ex-jogador ao UmDois Esportes.

Do vestiário, Henrique viu a vitória por 1 a 0, que garantiu a vaga ao Coxa na segunda fase. Logo após a partida, recebeu o apoio e ouviu palavras de conforto de todos do elenco e da comissão técnica. Em especial, de dois atletas líderes do grupo e que já passaram por situação semelhante: o meia Robinho e o volante Willian Farias.

A lesão logo no primeiro jogo da temporada adiou os planos do prata da casa, que começou a ganhar espaço na equipe na reta final da temporada passada. A ideia era fazer um bom Campeonato Paranaense para prorrogar o contrato, válido somente até dezembro.

"No ano passado ele não teve muitas chances. Agora que começaram a aparecer, vem a lesão. Mas ele está com a cabeça muito boa, e isso ajuda bastante para se recuperar bem. Pra mim foi uma pancada porque a gente faz um projeto de carreira, vê que tudo estava caminhando certo e acontece a lesão. Mas sempre temos que tirar algo bom. Nesses momentos a relação se fortalece. Agora é recuperar".

"Essa lesão não é o fim do mundo", diz empresário

A data da cirurgia ainda não foi marcada, mas estima-se que seja realizada daqui a duas ou três semanas. Por ora, Henrique já começou os trabalhos de fisioterapia, em dois períodos. Enquanto isso, o empresário fortalece o vínculo criado com o zagueiro há seis anos.

"É chato porque a gente tinha um plano de carreira, após o término do Paranaense sentaríamos para falar sobre renovação. Quando acontece isso dá uma abalada geral. A gente vê a manifestação do clube, da imprensa e dos torcedores, e percebe que estávamos no caminho certo. Só vamos adiar o que estávamos desenhando, mas vamos continuar trilhando. Ele é merecedor de tudo que vem acontecendo".

Hélcio, que é ídolo dos torcedores paranistas, lembrou de quando teve uma fratura exposta no braço, defendendo o Atlético-MG . A estimativa de recuperação era de seis a oito meses, mas com cerca de três meses ele já havia voltado aos gramados. O empresário destacou a postura de Henrique mesmo diante da dificuldade e imprevistos.

"O Henrique me surpreendeu desde o começo, de que ele vai superar. É um atleta de se tirar o chapéu. Eu nunca tive empresário. Então, eu comecei a fazer pelos atletas o que eu nunca tive. Por isso, nesses momentos eu sei o que o atleta está sentindo e precisa. E me surpreendeu positivamente a maneira como ele está conduzindo. Ele acredita no clube onde está, a recuperação que vai ter e sabemos do potencial que ele tem. Essa lesão não é o fim do mundo. Ela veio e traz tristeza, sim, mas ao mesmo tempo ele é novo e recupera rápido. Logo ele vai voltar a fazer o que ele mais gosta", disse Hélcio.

Piá do Couto: mais de uma década no Coritiba

Henrique estreou profissionalmente no Coritiba na vitória sobre o Palmeiras, por 3 a 1, na 16ª rodada do Brasileirão, em outubro do ano passado. Ao todo, ele soma nove jogos no time principal alviverde, sendo seis como titular. Além do Palmeiras, ele também começou no 11 inicial contra Santos, Fluminense, São Paulo e Grêmio.

Paranaense de Cascavel, o zagueiro começou a vestir as cores do Coritiba desde os nove anos de idade. Ele chegou ao Alto da Glória como meia, após passagem pelo futsal, virou volante e se firmou como zagueiro.

Henrique Vermudt está no Coritiba desde os nove anos
Henrique Vermudt está no Coritiba desde os nove anos
Participe da conversa!
0