Foto de perfil de Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Ver mais
Análise

Defensores da manutenção incondicional de técnicos se apoiam na virada de Diniz

Após muita contestação no São Paulo, Fernando Diniz obteve importante classificação contra o Flamengo do recém-chegado Rogério Ceni
Após muita contestação no São Paulo, Fernando Diniz obteve importante classificação contra o Flamengo do recém-chegado Rogério Ceni| Foto: Fernando Roberto/Estadão Conteúdo
  • PorMauro Cezar Pereira
  • 19/11/2020 19:02

O São Paulo eliminou o Flamengo de forma categórica na Copa do Brasil, duas vitórias e um placar agregado de 5 a 1. Se incluído o duelo entre as equipes dias antes pelo Brasileirão, resulta em 9 a 2, já que os tricolores venceram aquela partida no Maracanã por 4 a 1.

Fernando Diniz, um dos mais discutidos treinadores do futebol brasileiro, foi do inferno ao céu e, agora, praticamente tudo o que dele se fala trata o presente como se não existisse passado. Mas a trajetória do técnico são-paulino é marcada por acertos e erros, quase demissão e seu melhor momento.

Faço questão de frisar que me manifestei, inúmeras vezes, como entusiasta de Diniz, quem acompanha esse espaço bem sabe. Motivo? É um treinador que se esforça em sair do lugar comum. Alguém que não se contenta em ser mais um a procurar atalhos para eventuais vitórias.

No país onde times de futebol vêm, em grande parte, rejeitando a bola, ele sempre quis tê-la. Em alguns momentos, com sucesso, em outros, fracassando. Um amigo me disse certa vez: Fernando Diniz tem as ideias sobre como seu time deve jogar, mas parece não saber como fazer isso.

A dose, exagerada, de posse estéril era uma marca negativa do hoje técnico são-paulino, somada à defesa frágil, desde o Athletico, passando pelo Fluminense. Nos últimos meses, ajustou a medida como a coluna sugeria em 2018, alternando momentos de maior ou menor tempo de pelota nos pés.

O São Paulo melhorou o desempenho defensivo, em que pese recaídas muito recentes, como diante do Lanús, com gols sofridos nos acréscimos, na Argentina e no Morumbi, o que resultou na eliminação da Sul-Americana. Corre o risco de passar por isso novamente?

O futebol praticado no Brasil carece de coragem, arrojo, ideias diferentes do time fechadinho que sai no contra-ataque com um jogador rapidinho e ameaça nas bolas paradas. Fernando Diniz tem coragem. Sabendo como utiliza-lá, contribui com seu clube e com o esporte.

Confira a classificação do Brasileirão 2020

Athletico pega o elevador do Brasileirão

Três vitórias seguidas levaram o Athletico da zona de rebaixamento ao 10º lugar no Brasileirão. A terceira delas, quarta-feira, em Belo Horizonte, sobre o líder, Atlético, foi justificada por alguns pelos desfalques da equipe mineira, encarando um surto de profissionais com COVID-19.

Jogaram Everson, Igor Rabello, Guilherme Arana, Jair, Hyoran, Nathan, Zaracho, Marrony, Keno, Eduardo Sasha… Não era um Galo mutilado, mas desfalcado. E o Furacão venceu com belo aproveitamento das chances criadas e suportando os momentos de pressão do time de Jorge Sampaoli, sem Sampaoli.

Coritiba e o VAR

Igor Junio Benevenuto observa o VAR no Couto Pereira, antes de anular gol do Coritiba. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Gazeta do Povo
Igor Junio Benevenuto observa o VAR no Couto Pereira, antes de anular gol do Coritiba. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Gazeta do Povo| Albari Rosa / Foto Digital

O Coritiba vencia por 1 a 0, gol de Giovanni Augusto logo no início da peleja. Aos 33 minutos, Neilton disputou e a bola bateu, a meu ver, na barriga do atleta do Coxa. Então o autor do primeiro tento do cotejo ampliou o placar para o time paranaense.

Mas o árbitro Igor Junio Benevenuto de Oliveira foi ao monitor, convocado pelo homem do VAR, Jose Claudio Rocha Filho (SP). A equipe de arbitragem entendeu que a bola batera no braço de Neilton. Gol anulado e aparente mudança no curso da história.

Na sequência, o Bahia empatou. No segundo tempo virou. O Coritiba segue na zona de rebaixamento, em 18º, à frente apenas de Botafogo, com um jogo a menos, e Goiás, que mandou mais um técnico embora, mas não larga a lanterna.

Participe da conversa!
0

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.