Quando o curitibano Wanderlei Silva atravessou o mundo pela primeira vez e fez a sua estreia no Japão, apenas três anos após se profissionalizar no MMA, ele jamais imaginava que um dia teria que andar até disfarçado pelas ruas japonesas, pois se tornaria uma grande celebridade naquele país.

Em 12 de setembro de 1999, o Cachorro Louco iniciou a sua saga em terras orientais. Após seu empresário ter mandando uma fita de vídeo para um matchmaker no Japão, não deu outra. Logo o curitibano foi convocado para encarar o americano Carl Malenko.

Pelo extinto Pride, Wand disputou 28 combates e perdeu apenas quatro vezes, se consolidando de vez no Japão e sendo uma espécie de herói para os japoneses, com a conquista do cinturão peso-médio.

UmDois? Gazeta e Tribuna agora no mesmo time, em novo portal esportivo; conheça!

“Comecei a ganhar várias lutas lá e fiquei bastante conhecido. Tenho uma relação muito boa com o Japão, gosto do país, fiz várias amizades e sou muito respeitado por lá. Fico muito feliz por tudo o que vivi no Pride”, diz o curitibano, aos 44 anos, em entrevista exclusiva ao blog.

Os japoneses eram tão apaixonados por Wand, que até o seu nome foi dado a um prato na região de Shibuya, na capital Tóquio. “Eu adoro comida japonesa e tem um restaurante que me deu até um patrocínio vitalício. Posso comer de graça até o fim da vida lá”, declara o Cachorro Louco.

No Japão, Wanderlei Silva travou combates históricos e teve rivalidades memoráveis contra lendas, como o americano Rampage Jackson e o japonês Kazushi Sakuraba. “Eu lutava contra qualquer um que viesse. Era o espírito Chute Boxe. Eram guerreiros muito bem preparados para a guerra. Não ‘arregávamos’ para ninguém”, exalta Wand sobre a tradicional equipe curitibana.

  • No anterior, lutador revelação. Augusto Júnior/Arquivo/Gazeta do Povo
  • Wand em ação no Japão. Marcelo Alonson/Divulgação
  • Wand em ação no Japão. Marcelo Alonson/Divulgação
  • Wand em treinamento em Curitiba. Antônio Costa/Arquivo/Gazeta do Povo
  • Wand em treinamento em Curitiba. Antônio Costa/Arquivo/Gazeta do Povo
  • Wand em treinamento em Curitiba. Antônio Costa/Arquivo/Gazeta do Povo

O pupilo do Cachorro Louco

Sem lutar desde setembro de 2018, Wanderlei Silva, 44 anos, tem se dedicado a alguns projetos pessoais e acompanhado de perto a evolução do seu filho Thor, 17 anos, que tem seguido os passos do pai.

“Fico muito feliz com o interesse do meu filho pelas artes marciais. Ele vem treinando muito bem. Ele gosta de lutar, é inteligente e fico contente por tudo isso que está acontecendo”, ressalta Wand. Thor Silva já fez alguns combates amadores de muay thai e boxe em Curitiba e em breve deve estrear também no MMA.

Wand e o filho Thor. Reprodução/Instagram
Wand e o filho Thor. Reprodução/Instagram
Participe da conversa!
0