colunas e Blogs
Carneiro Neto
Carneiro Neto

Carneiro Neto

Opinião

O futebol brasileiro começa a entender o Athletico. Clube que é, antes de tudo, um estilo

Por
Carneiro Neto
06/09/2019 18:43 - Atualizado: 29/09/2023 23:23
O futebol brasileiro começa a entender o Athletico. Clube que é, antes de tudo, um estilo
| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Para entender o Club Athletico Paranaense é preciso saber que o Athletico é, antes de tudo, um estilo. Um estilo diferente de existir, de torcer, de jogar e de se posicionar dentro do moderno contexto futebolístico.

E, para descobrir o Athletico como estilo, temos de esquecer o lugar comum do futebol. Nascido do que se entendia por elite no começo do século passado, o novo clube foi logo apelidado de Cartola, Pó de Arroz e outros apodos que o identificavam com as famílias mais tradicionais de Curitiba.

Na virada de 1968, com a contratação dos bicampeões mundiais Bellini e Djalma Santos e a explosão de sua torcida, batendo recordes em todos os estádios da cidade – recordes que jamais foram superados –, virou o Time do Povão.

Saiu de cena o símbolo do Cartola, que milhares ostentaram durante décadas na lapela dos paletós, e entrou de vez o heterônimo Furacão. A segunda e definitiva virada na rica história atleticana aconteceu em 1995 com a chegada de Mario Celso Petraglia.

Com profunda visão estratégica, ambição, determinação e humor gótico, Petraglia liderou um grupo de dirigentes que contribuiu decisivamente para essa verdadeira arquetipologia do novo futebol. Sonhos, hipérboles, transbordamentos, planos, construções, tudo foi acontecendo na Baixada e arredores.

O tempo passou, quase 25 anos rolaram, pedras falaram, o mais moderno centro de treinamentos do país foi construído, duas arenas foram edificadas no mesmo lugar, títulos foram conquistados, mortos levantaram-se das tumbas, até que finalmente o futebol brasileiro começa a entender o Athletico.

Sempre acertando no conteúdo, mas muitas vezes errando na forma, Petraglia conseguiu moldar o clube a sua imagem e semelhança. Passou por cima de muita gente, desencantou colaboradores fiéis dos primeiros anos, desagradou torcidas organizadas e torcedores comuns, agiu como um trator até que se tornou, finalmente, o dono do pedaço.

Até a jovem oposição, que por muito pouco não ganhou as últimas eleições, parece ter se convencido de que o melhor caminho será mesmo uma união geral. Mas a essência continua sendo a paixão pelo time.

Com revelações surgidas no CT do Caju, que vão do pentacampeão mundial Kléberson ao desconcertante juvenil ala direito Khellven, que ajudou a desmontar o sistema defensivo do Grêmio na última partida, um bonito retrospecto engrandece a permanente renovação do Furacão.

Tiago Nunes, revelação como técnico lançado pelo clube, demonstrou sabedoria ao superar todas as dificuldades impostas pelas circunstâncias, improvisou e desenhou a estratégia de jogo, injetando confiança e alma aos jogadores que conseguiram a virada histórica sobre o poderoso rival gaúcho. 

Agora vem outro, o Internacional. Mas o principal já foi conquistado, que era chegar a mais uma final da Copa do Brasil. Daí, o jubilo e o contentamento de todos os torcedores que contemplam, orgulhosamente, a chegada da equipe a mais uma final de copa, nove meses depois de ter erguido a taça de campeão da Copa Sul-Americana.

Este é o resultado de um trabalho sibilino, mas real e eficiente. O Athletico deixou de ser um clube periférico e passou a ocupar lugar de destaque no cenário futebolístico continental.

Veja também:
Popó Freitas x Kleber Bambam: resultados do FMS 4
Popó Freitas x Kleber Bambam: resultados do FMS 4
Kléber, o Incendiário
Kléber, o Incendiário
Libertadores, Caju e Sicupira... Dez estreias marcantes no Athletico
Libertadores, Caju e Sicupira... Dez estreias marcantes no Athletico
Após polêmica, Coritiba vai consultar STJD antes de reintegrar Alef Manga
Após polêmica, Coritiba vai consultar STJD antes de reintegrar Alef Manga
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Carneiro Neto
Há 35 anos, um grupo de atleticanos quase vendeu a Baixada
Opinião

Há 35 anos, um grupo de atleticanos quase vendeu a Baixada

Tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo no Athletico
Opinião

Tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo no Athletico

Osorio roubou a cena no clássico Atletiba bem disputado
Opinião

Osorio roubou a cena no clássico Atletiba bem disputado