colunas e Blogs
Carneiro Neto
Carneiro Neto

Carneiro Neto

Opinião

Há 35 anos, um grupo de atleticanos quase vendeu a Baixada

Por
Carneiro Neto
23/02/2024 08:21 - Atualizado: 23/02/2024 08:21
Ligga Arena.
Ligga Arena. | Foto: Átila Alberti/UmDois Esportes

A inesperada derrota do Coritiba e a consequente eliminação da Copa do Brasil para o Águia Marabá foi consequência da alto suficiência dos jogadores e, sobretudo, da imperícia dos atacantes para liquidar a fatura no primeiro tempo. Depois, o Coxa deu um vexame completo.

Mas, o tema de hoje tem a ver com a surpreendente convocação do Conselho Deliberativo do Athletico para mudar o nome do estádio Joaquim Américo Guimarães para Mario Celso Petraglia. Não entro no mérito, afinal o atual presidente é merecedor de homenagens pelo trabalho realizado, mas o momento é absolutamente inoportuno pela grandiosidade da data que se aproxima: o centenário do clube.

Esta atitude do presidente do Conselho Deliberativo tumultuou as festividades do centenário pela ausência de maiores esclarecimentos e falta de respeito para com os homens que construíram o clube nas suas primeiras décadas.

Esse fato me fez recordar de que há 35 anos um grupo de atleticanos quase vendeu a Baixada. O plano era vender o estádio Joaquim Américo Guimarães e ficar definitivamente jogando no estádio Pinheirão.

Em 1989, alguns dirigentes e conselheiros estavam dispostos transformar a área onde atualmente se encontra a Ligga Arena em gigantesco shopping center cercado por quatro torres de edifícios com apartamentos. Entendiam que seria uma forma de viabilizar economicamente o clube, tradicionalmente envolvido em crises financeiras como de resto a maioria absoluta dos grandes clubes brasileiros. Pelo contrato que seria celebrado, durante 100 anos, o Athletico jogaria no estádio da Federação Paranaense de Futebol.

+ Confira as colunas de Carneiro Neto no UmDois

O presidente da época, Valmor Zimermann, analisou a proposta apresentada pelo mesmo grupo empresarial que estava edificando o estádio Pinheirão. Todo o esforço mercadológico do estádio no Tarumã visava sensibilizar diretamente os atleticanos para que adquirissem camarotes, cadeiras e locais no estacionamento. O assunto foi levado ao Conselho Deliberativo e diversos conselheiros se posicionaram contra a ideia de apagar a história da Baixada.

Os debates tornaram-se acalorados e após três assembleias não se chegou a um consenso. Preocupado com a polêmica e, pessoalmente convencido de que jamais a torcida aceitaria perder a velha Baixada como campo de futebol, Valmor Zimermann sugeriu que se formasse uma comissão especial para estudar o caso com poderes absolutos para qualquer decisão.

+ Confira a tabela completa do Paranaense 2024

O Conselho Deliberativo nomeou como membros da comissão os conselheiros Ari Queirós, na época vice-governador do Estado do Paraná; Nelson Fanaya, diretor do Banco Bamerindus; Segismundo Morgestern, ex-secretario de Estado e diretor da indústria Malas Ika; Julio Gomel, médico e ex-diretor do clube; Anfrisio Siqueira, funcionário público aposentado e presidente da sociedade civil Boca Maldita e, eu, jornalista, convidado para integrar o grupo como representante da torcida atleticana.

Fiquei meio sem jeito, mas aceitei o pedido e fui à reunião em ampla sala reservada no Hotel Mabú, na praça Santos Andrade. Havia cerca de 50 pessoas, entre dirigentes e conselheiros do clube interessados no negócio, o presidente Onaireves Moura, da Federação, e uma meia dúzia de representantes da empresa Sisal, autora da proposta desafiadora. Foi apresentada uma grande maquete do empreendimento na Baixada, a conhecida maquete do Pinheirão para utópicos 120 mil espectadores e começou o show com a projeção de imagens e variadas explanações técnicas dos engenheiros.

Após duas horas de muitas argumentações, convidaram-nos para analisarmos a proposta em uma sala anexa. Nos olhamos e em menos de dez minutos saímos e informamos a todos os presentes da decisão. Fui escolhido como o porta-voz da comissão e falei da tradição do clube, dos homens que viveram intensamente o clube e construíram a sua história e que jamais o Furacão deveria abdicar de jogar no gramado do estádio Joaquim Américo Guimarães. Finalizei acrescentando que o terreno da Baixada era intocável por se tratar de patrimônio inalienável da família atleticana.

De todos os presentes, permaneceu apenas o presidente Valmor Zimermann que se mostrou aliviado e feliz com a decisão, nos acompanhando no jantar que foi servido no restaurante do hotel.

Este episódio nos ensina que uma simples deliberação pode mudar o destino de um projeto eterno.

Carneiro e Mafuz debatem "Estádio Mario Celso Petraglia"; veja o podcast especial

Vote agora no time ideal do centenário do Athletico!
CAPCast

Vote agora no time ideal do centenário do Athletico!

Receba as notícias do UmDois direto no seu WhatsApp!
Não perca nada

Receba as notícias do UmDois direto no seu WhatsApp!

Inscreva-se no canal de Youtube do UmDois Esportes!
Fique por dentro

Inscreva-se no canal de Youtube do UmDois Esportes!

Veja também:
Vasco encaminha contratação de volante do Athletico
Vasco encaminha contratação de volante do Athletico
Técnico dispensou Neymar pessoalmente, revela jornal
Técnico dispensou Neymar pessoalmente, revela jornal
Corinthians x Atlético-MG: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Corinthians x Atlético-MG: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Atlético-GO x Flamengo: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Atlético-GO x Flamengo: escalações prováveis, como assistir, data e horário
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Carneiro Neto
Athletico provocou o discreto olhar da burguesia esportiva
Opinião

Athletico provocou o discreto olhar da burguesia esportiva

O imponderável investimento na sociedade anônima do futebol brasileiro
Opinião

O imponderável investimento na sociedade anônima do futebol brasileiro

Athletico confirmou o seu grande favoritismo no ano do Centenário
Opinião

Athletico confirmou o seu grande favoritismo no ano do Centenário