O Coritiba sofreu mais uma derrota como mandante na sua campanha irregular neste Campeonato Brasileiro.

Foi uma estreia amarga para o técnico Marcelo Oliveira que, ao constatar as fragilidades do elenco alviverde, sentiu quanto trabalho terá pela frente para reencontrar o caminho das vitórias.

Por falar em elenco, não há termos de comparação entre o grupo reunido pelo Atlético-MG com o que o Coritiba tem contando para a competição mais longa e difícil do calendário nacional.

Emblemática foi a jogada do segundo gol quando Cazalez superou facilmente o marcador e cruzou para Rafael Moura que se aproveitou da falha do zagueiro Márcio para finalizar contra a meta de Wilson.

A verdade é que pelo investimento realizado esperava-se maior retorno do Galo mineiro que já foi eliminado da Copa do Brasil e vinha encontrando dificuldades na competição mais importante.

Quanto ao Coxa, a dura constatação de que o elenco é tecnicamente mediano, mas com muita vontade de se superar. Vai depender do que Marcelo Oliveira conseguir extrair do entusiasmo da moçada.

Leia também: Na estreia de Marcelo Oliveira, Coritiba perde e pode entrar na ZR com vitória de rival

 Novo Paraná

Com a Vila Capanema recebendo o maior público da série B neste ano e o treinador Lisca iniciando oficialmente o seu trabalho, o Paraná goleou o Santa Cruz.

Foi uma apresentação que beirou a perfeição, unindo disciplina tática, determinação e competência técnica para a feitura dos gols. Mas o time tricolor só conseguiu deslanchar mesmo com a entrada do meia Renatinho, que substituiu João Pedro lesionado.

O zagueiro Eduardo Brock comandou a coordenação defensiva e Minho, Iago Maidana e Alemão se destacaram do meio para frente.

A soma dos três pontos significou um salto na classificação e, por que não, o surgimento de um novo Paraná na competição. Foi muito positiva a primeira intervenção de Lisca na direção da equipe, deixando o torcedor feliz e mais animado.

Leia também: No ‘jogo da família’, destaque do Paraná ganha apoio especial na arquibancada

Passou da hora

O Atlético volta ao campo para encarar o Vasco no seu momento de mais baixo rendimento na temporada. Desde a intempestiva dispensa do técnico Eduardo Baptista o time atleticano não conseguiu mais encontrar o eixo e tem acumulado resultados negativos, tanto dentro quanto fora da Arena da Baixada.

Fabiano Soares, um treinador desconhecido que estava radicado há anos no futebol português, vem encontrando grandes dificuldades para ordenar as coisas.

Além da limitação técnica de diversos jogadores do atual elenco, os cartões e as lesões também contribuem para que o time tenha assinalado as suas atuações por falhas defensivas, pouca marcação e inspiração no meio de campo e inoperância ofensiva.

Para o torcedor – que tem se manifestado contra a diretoria, o novo técnico e alguns jogadores – já passou da hora de o Furacão voltar a vencer no campeonato.

Leia também:  Atlético encara o Vasco e a crise; veja personagens que explicam a fase ruim

Participe da conversa!
0