A queda do padrão ético, moral e social do Brasil nos últimos trinta anos preocupa qualquer um com mais de três neurônios.

Claro que tem a ver com maus governantes, políticos corruptos e a instabilidade econômica mundial que afeta todos os países.

Agora, ainda surge esse Putin, aprendiz de Czar com cara de estalinista para massacrar o povo ucraniano e agravar a crise econômica que avassalou o mundo durante a pandemia do covid.

No nosso passado recente os países eram classificados como desenvolvidos, em desenvolvimento e subdesenvolvidos.

Nações mais pobres, como o Brasil, por exemplo, levavam o título de subdesenvolvidas ou em desenvolvimento, dependendo da ideologia política de quem estava versando sobre a realidade em questão.

Na virada do século aquelas classificações foram sendo deixadas de lado, substituídas por desenvolvidos, emergentes e não emergentes. Integrante do Brics, acompanhados pela China, Rússia, Índia e África do Sul, viramos emergentes.

Porém, em alguns aspectos continuamos subdesenvolvidos e, no que concerne a este espaço, o futebol brasileiro decaiu: há vinte anos não conquistamos uma Copa do Mundo, há dez anos não vencemos o Mundial de Clubes, a seleção nacional perdeu prestígio e a arbitragem afundou de vez.

Fiquemos hoje com o apito, pois é grave a crise da arbitragem no futebol brasileiro. Esperava-se que com a implantação do VAR melhorasse o nível.

Longe disso. Até os monitores que operam os aparelhos eletrônicos na cabine do VAR estão se atrapalhando e contribuindo com a crítica generalizada a esse importante setor do futebol.

Basta comparar o comportamento beirando a perfeição dos árbitros e bandeirinhas europeus nos jogos que a televisão mostra à tarde com as trapalhadas dos brasileiros nas partidas apresentadas à noite.

Se no futebol europeu raramente o apitador recorre a telinha para dirimir dúvidas, aqui quase em todos os jogos perde-se tempo com as trapalhadas registradas no campo e na cabine.

O torcedor perde a paciência com tanta incompetência. Esperamos que a limpeza geral feita no setor de arbitragem da CBF produza efeitos positivos. Amém.

Participe da conversa!
0