Quem tem acompanhado o suplício da dupla Atletiba no Campeonato Brasileiro deve reconhecer que ela conseguiu acertar o passo nas derradeiras rodadas do 1.º turno.

O Atlético fechou a primeira parte da competição em oitavo lugar e o Coritiba em nono. Pode não ser grande coisa para muitos, porém, significa, pontualmente, que os nossos representantes deram um salto na classificação e se afastaram da temível zona de rebaixamento.

Os dois esbanjaram determinação nos jogos da última rodada e fizeram por merecer o reconhecimento dos torcedores.

No Alto da Glória, o Coxa se impôs contra a Chapecoense com um estilo de jogo mais arrojado, objetivo e que não deu margem a qualquer tipo de surpresa desagradável.

O primeiro gol do veterano Alecssandro com a camisa alviverde foi importante, mas muito mais significativo para ele que vinha se esforçando e até mesmo demonstrado certo constrangimento com o longo jejum. Abriu o caminho da vitória e comemorou o gol com emoção.

Mas bonito mesmo foram a jogada e a finalização de Rildo na ampliação da contagem. Ele, que havia se constituído no melhor jogador, ao lado do goleiro Wilson, no triunfo sobre o São Paulo, no Morumbi, confirmou a boa fase diante da Chapecoense.

No Allianz Parque, o Atlético soube tirar proveito das alterações processadas pelo técnico Cuca no Palmeiras e arrancou três pontos preciosos.

Duas coisas ficaram bem claras: o treinador Fabiano Soares conseguiu acertar o posicionamento da zaga e o chileno Esteban Pavez preencheu a vaga deixada por Otávio com ganhos para o conjunto do time.

Ou, por outra, toda a engenharia defensiva atleticana passa pelo primeiro volante. Enquanto Otávio é um jogador aplicado e incansável, Pavez também demonstra essa característica só que tem a vantagem de praticar um futebol mais vertical. Por isso, em vez das bolas distribuídas lateralmente, o Furacão passou a ser mais agudo nos contra golpes e a jogar com mais opções ofensivas.

O gol de cabeça de Thiago Heleno definiu o escore e, agora, apertem os cintos porque o time recuperou o moral e a motivação para encarar o Santos pela Libertadores.

Participe da conversa!
0