Depois de dois tropeços em casa, com Chapecoense e Corinthians, o time do Atlético voltou a surpreender e venceu o Botafogo no Rio de Janeiro.

A irregularidade da equipe está bem caracterizada no atual campeonato, pois quando tudo parece perdido na seqüência de maus resultados, ela consegue se reinventar e conquistar resultados positivos. Vem sendo assim desde o inicio da competição, tanto com Paulo Autuori no comando como com Eduardo Baptista e, agora, Fabiano Soares.

Na partida com o Botafogo, mesmo sem contar com os seus dois principais atacantes – Felipe Gedoz e Nikão -, o Furacão apresentou-se bem.

Esteve em plano elevado na retaguarda, manteve a circulação eficiente da bola pelo meio de campo e teve sorte no chute de Guilherme que surpreendeu o goleiro Gatito Fernandez. Ao tentar segurar a bola o arqueiro botafoguense acabou empurrando-a para dentro da meta.

O triunfo aliviou a pressão sobre a diretoria, a comissão técnica e os jogadores, todos muito cobrados após os últimos insucessos.

Coxa enroscou

O jogo foi bem mais difícil do que a torcida poderia imaginar e o Coxa enroscou na Ponte Preta.

Na realidade o time paulista conseguiu igualar as ações durante o primeiro tempo de uma partida truncada e com raros lances de emoção para o público.

No intervalo o treinador Marcelo Oliveira substituiu o volante Jonas pelo atacante Kleber e o Coritiba soltou-se mais, reencontrou-se em campo e começou a pressionar a meta de Aranha.

Entretanto, foi a Ponte Preta que abriu o escore através de um cabeceio do atacante Léo Gamalho que subiu mais alto do que o zagueiro Kleber. Logo em seguida, em jogada atrapalhada da zaga da Ponte Preta, Yan Sasse finalizou e igualou o placar.

Daí em diante o jogo cresceu, pois os dois times mostraram vontade de vencer e os goleiros andaram trabalhando bastante, especialmente Wilson muito exigido.

Houve uma penalidade máxima a favor do Coxa cometida por Jeferson – mão na bola – que nem o árbitro central e muito menos o auxiliar na linha de fundo, que estava a cinco metros do lance, enxergaram.

O empate acabou sendo um resultado justo pela igualdade de forças entre as equipes.

Paraná recuperado

A esperada vitória sobre o Luverdense devolveu a segurança ao time do Paraná e manteve a distancia dos seus principais perseguidores na busca do acesso a série A.

O jogo foi disputado com intensidade e as modificações promovidas pelo treinador Matheus Costa deram resultado.

Oeste, Londrina e Vila Nova continuam no páreo tentando aproveitar qualquer descuido do Paraná.

Mas a confiança é grande na possibilidade de somar mais três pontos na partida com o debilitado Santa Cruz, no Recife.

A equipe pernambucana vive o drama do rebaixamento para a série C, além de graves problemas financeiros com a ameaça de os jogadores não entrarem em campo se os salários não forem pagos a tempo.

Participe da conversa!
0