Poucos clubes passaram pelos dramas do Coritiba nos últimos meses. Depois de uma administração inexperiente e insegura, beirando ao amadorismo, o time voltou a cair para a Série B do Campeonato Brasileiro. Renato Follador Junior foi eleito e assumiu a presidência, mas não conseguiu evitar o rebaixamento.

Nem bem começou a colocar em prática os seus projetos de reconstrução, com a formação da nova diretoria, nova comissão técnica e praticamente um novo elenco de jogadores, e foi contaminado pelo maldito coronavírus.

O presidente coxa-branca não resistiu e, lamentavelmente, acabou falecendo no hospital. Toda a responsabilidade caiu no colo do vice-presidente Juarez Moraes e Silva. Executivo experiente e empresário bem sucedido, mas sem qualquer experiência no futebol, Juarez Moraes conseguiu reagrupar conselheiros e dirigentes na hercúlea tarefa de manter os compromissos em dia sem perder de vista a responsabilidade de devolver o centenário time de retorno à Série A do Brasileirão.

Veja a tabela da Série B

Vida que segue, apesar das grandes dificuldades econômicas experimentadas nas últimas temporadas, os novos dirigentes conseguiram superar todos os obstáculos, algumas vezes tendo que tirar dinheiro dos próprios bolsos para honrar compromissos assumidos com funcionários, atletas e fornecedores.

Vendo a equipe em campo, bem organizada pelo treinador paraguaio Gustavo Morínigo, liderando há muitas rodadas a competição e com todas as possibilidades de acesso, o Coritiba unido supera-se e empolga a torcida.

Não que tecnicamente o grupo consiga manter média de grandes atuações, mas no conjunto observa-se a pegada de todos e a vontade de suar a camisa até o último instante de cada jogo. O retorno do ídolo Henrique, não só ajustou de vez o sistema defensivo, como imprimiu um código de liderança insuperável dentro de campo.

Contando com jogadores experientes e conscientes de suas responsabilidades, o Coxa distribui exemplos de como é importante contar com pessoas intimamente ligadas as tradições do clube, dentro e fora do campo.

Futebol não se resume a planejamento, dinheiro e profissionalismo; futebol é, sobretudo, competência no dia-a-dia e amor puro a causa na busca dos objetivos esportivos.

Participe da conversa!
0