Foto de perfil de Augusto Mafuz

Augusto Mafuz

Ver mais
Opinião

Furacão esbarra na retranca do líder Inter

Athletico não conseguiu superar retranca do Inter na Baixada
Athletico não conseguiu superar retranca do Inter na Baixada| Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes
  • PorAugusto Mafuz
  • 05/02/2021 00:47

O jogo é jogado, é uma lição antiga pregada pelo histórico gaúcho Otacílio Gonçalves nos seus tempos de treinador. Mas o jogo, também, pode ser trombado, marcado e cortado. Quando de um lado está esse Internacional atrás de um título, então, não há nenhum constrangimento de fazer um jogo picado em pedaços.

O Furacão, ninguém pode negar, até que quis fazer um jogo jogado, mas não conseguiu. É verdade que a conduta conservadora por ser agressivamente defensiva do líder atuou como causa imediata.

Por mais que o Furacão avançasse pelos lados, trocasse passes, deslocasse meias e atacantes, não conseguiu entrar numa espécie de álamo construído por Abel Braga. Aqui, um parêntesis: que me desculpem os colorados, mas, se o Inter for campeão do Brasileirão, será uma péssima referência. Ganhando jogando atrás e por uma bola, será um grande retrocesso.

Mas, o Athletico, incentivou essa proposta rústica do Inter. Por melhor que tenha sido a intenção de Paulo Autuori, não era um jogo para excluir o artilheiro Kayser em benefício de Jadson. A consequência poderia ter se irradiado com uma derrota, pois Jadson, sem marcar, transferida o peso da marcação para Richard e toda a carga para a defesa, chegando a ser censurado por Jonathan.

Se a consequência não passou de uma ou outra jogada, foi porque o Inter não estava disposto a jogar o jogo, mas, a trombá-lo, à espera de um lance do acaso para ganhar.

Talvez, tenha ficado para o atleticano a sensação que o jogo poderia ter sido ganho. As coisas não são, assim, tão simples que se resolvem no nosso interior. Afinal, o Athletico jogava contra um Inter líder, que vinha de nove vitórias em sequência. Por jogar contra um time de gladiadores que ficam à espera de um descuido para dar o golpe, precisava, também, ser paciente e cauteloso.

Nelson Rodrigues dizia que um 0 a 0 é coisa mais triste que tem no futebol.  Se ele viesse esse 0 a 0 da Baixada, era capaz de escrever uma crônica com lágrimas.

Em um jogo de bordoadas, Tiago Heleno foi o melhor em campo.

Participe da conversa!
0

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.