colunas e Blogs
Augusto Mafuz
Augusto Mafuz

Augusto Mafuz

Opinião

Furacão bebe a champanhe do Fluminense: 4×1

Por
Augusto Mafuz
30/06/2021 22:33 - Atualizado: 04/10/2023 18:09
Zé Ivaldo no jogo entre Fluminense x Athletico
Zé Ivaldo no jogo entre Fluminense x Athletico | Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC

Já escrevi mil vezes que não gosto de tratar o futebol como algo mecânico, escravizando-o às variações de ideias táticas. Continuo pregando que o futebol antes de tudo é alma, porque, atrás da bola, como escreveu Nelson Rodrigues, há um ser humano com sentimentos.

Escrevi, aqui, no post “Furacão busca voltar aos trilhos”, que “o inexplicável Richard, mais Nikão e Marcinho, presumo que o Furacão deve voltar ao trilho contra o time da champagne”.

Eis a grande verdade: pelo Brasileirão, em Volta Redonda, Fluminense 1x4 Athletico.

Foi um presságio, uma aposta, ou foi o quê?

Talvez, seja o querer da alma. Mas, antes de tudo, foi porque o nível de responsabilidade de Paulo Autuori é acima, uma ilha entre os profissionais do futebol brasileiro. Concluindo que o sistema de três zagueiros era arriscado demais, deu comando de mudança. E, o que se viu em Volta Redonda, foi um Athletico convencional, quase ortodoxo, mas, absolutamente equilibrado, seguro e consciente.

Essa conclusão já pode ser alcançada logo depois que, no primeiro minuto, tomou o gol de Fred. Mantendo-se sereno e não alterando a proposta, logo chegou ao empate com o gol de Richard, em jogada de Cittadini.

Mas não percamos tempo de escrever e ler sobre o que aconteceu depois do gol de Richard até aos 18 minutos da etapa final. Foi nesse momento que, com Nikão e Vitinho (saíram Canesin e Carlos Eduardo), apresentou-se a melhor versão do Furacão nesse campeonato.

A perna esquerda de Nikão parecia uma vara mágica. Toda a vez que tocava na bola, o Furacão jogava como nunca. A sua presença criou uma aura que fez todos jogarem. E, aí, a goleada com os gols de Vitinho, Zé Ivaldo e do próprio Nikão (de pênalti), foi o corolário dos 33 minutos que vão cravar na memória da maior torcida do Paraná.

Para ser o melhor em campo, Nikão não precisou mais do que 33 minutos.

Entendo que jogando pressionado por um ambiente contrário, o Athletico acaba ganhando consciência de suas limitações. Foi assim contra o Juventude, contra o Grêmio, e só foi diferente em Salvador, contra o Bahia, porque jogou 85 minutos com dez jogadores.

As consequências especificas do resultado de Volta Redonda podem ser antecipadas: uma vitória irá absorver os pontos perdidos para Bahia e Chapecoense; mas, um novo fracasso, será o esgotamento dos pontos ganhos contra times inferiores por natureza, ou que se tornaram inferiores pelo jogo em si, como o Grêmio.

Veja também:
Destacado por jornal espanhol, capitão na base: conheça o novo lateral do Coritiba
Destacado por jornal espanhol, capitão na base: conheça o novo lateral do Coritiba
Coritiba estreia e Athletico levou choque de realidade
Coritiba estreia e Athletico levou choque de realidade
Titulares com Osorio perdem espaço após chegada de Cuca no Athletico
Titulares com Osorio perdem espaço após chegada de Cuca no Athletico
Coritiba tem o segundo elenco mais valioso e o mais jovem da Série B
Coritiba tem o segundo elenco mais valioso e o mais jovem da Série B
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Augusto Mafuz
Athletico perde em Porto Alegre e Osorio não era o técnico
Opinião

Athletico perde em Porto Alegre e Osorio não era o técnico

O Brasileirão começa a apresentar “o pior futebol do mundo”
Opinião

O Brasileirão começa a apresentar “o pior futebol do mundo”

Athletico 4 x 0 Cuiabá. Estaria nascendo o Furacão III? 
Opinião

Athletico 4 x 0 Cuiabá. Estaria nascendo o Furacão III?