No Couto Pereira, Coritiba 0x1 Flamengo.

Os coxas guardavam, no mínimo, uma ilusão de surpreenderem o time misto do Flamengo.  Afinal, mesmo diante das maiores adversidades, sempre se tem guardado uma reserva de esperança. E essa, às vezes, é usada quando nada se espera. É que surge o imprevisto e provoca fatos possíveis apenas em sonhos.

Mas, no futebol desses tempos, até o imprevisto pode ser controlado. Não perder para o Flamengo, mesmo com a base reserva, seria muita coisa para um time com um lastro já envelhecido e mal ordenado como o do Coritiba.

Houve um tempo em que no dia anterior ao do jogo os times faziam uma atividade que se chamava “treino recreativo” ou um “racha”.  A mistura de titulares e reservas, “cascudos” e jovens, era um momento sem compromissos.

O Flamengo nada mais fez do que um “treino recreativo”, no Couto Pereira.  E não foi só em razão da sua supremacia técnica e tática, embora mesmo com reservas tenha sido escancarada desde o início. Concorreu para o jogo ser um recreio para o bicampeão do Brasil a conduta do Coxa na etapa inicial.

Coritiba aceitou a inferioridade diante do Flamengo

Em busca do mínimo equilíbrio, esperava-se um time com os dentes cerrados, propondo uma marcação enérgica. Mas, aceitando pacificamente a sua inferioridade, reduziu, ainda mais, a si próprio. Recuado quase junto ao goleiro Wilson, permitiu que o Flamengo desse um passeio, criasse várias oportunidades até o gol de Rodrigo Muniz, 1x0.

Na etapa final, um pouco mais jovem, sem Robinho, Léo Gamalho e Matheus Sales, com Taílson, Waguininho e Dalberto, os coxas melhoraram, mas, apenas, para salvar as aparências. O Flamengo continuou passeando em campo, fazendo linha de passe, trocando bolas, deixando o segundo gol o jogo de volta.

Se o Coritiba tivesse sido goleado por força das diferenças entre os times, não teria sido tão constrangedor como foi essa derrota simples, em razão da indisposição pessoal dos jogadores influenciada pela incompetência do treinador Morinigo. Com uma base envelhecida e dirigida por Morinigo, os coxas não devem ter muitas esperanças na Segundona.

Participe da conversa!
0