Ibagué, Colômbia, enviado especial – Palco da estreia do Athletico na Libertadores 2019 contra o Tolima, terça-feira (5), o gramado do estádio Manuel Murillo Toro recebeu as derradeiras passadas de um dos maiores atacantes da história do futebol mundial: Ronaldo Fenômeno.

No entanto, absolutamente nada na praça esportiva relembra a passagem do emblemático goleador brasileiro pela modesta cidade de Ibagué, distante 200 quilômetros da capital Bogotá, na pré-Libertadores de 2011. 

>> Quem tem o elenco mais valorizado da Libertadores 2019?

No estádio, o sentimento é de total ausência. Placa alguma ou uma mínima menção ao momento histórico, que permanece vivo apenas na memória dos torcedores locais que ali estiveram, assim como dos próprios corintianos. Na casa do inusitado algoz Tolima, o Fenômeno é ignorado.

>> Confira a tabela completa da Libertadores

Dirigentes do Tolima até se defendem. Integrantes do clube explicam, entre sorrisos amarelos, que pelo fato de o estádio pertencer à prefeitura, nada pode ser feito ou alterado sem o difícil aval da administração municipal.

FOTO: NILTON SANTOS / DIVULGAÇÃO

Por esta razão, afirmam ainda, o Tolima também não possui um museu próprio no local, nem pode fazer mudanças significativas no espaço em que manda jogos como único clube de toda a cidade.

Carneiro Neto: Fora do eixão nacional, Athletico tenta arrombar a porta

O fim da história de Ronaldo em Ibagué foi pra lá de amargo (menos para os colombianos do time local). O revés por 2 a 0 para o Tolima, em 2 de fevereiro daquele ano, eliminou da disputa o clube paulista, então comandado por Tite. Dias depois, Ronaldo anunciaria, entre lágrimas, o adeus dos gramados.

Estádio do Tolima. Foto: Jonathan Campos, enviado especial/Gazeta do Povo

Tolima x Athletico – notícias do jogo

Participe da conversa!
0