A tabela confeccionada pela Confederação Brasileira para o Brasileirão 2017 tem 144 erros, ou seja, exatamente 38% dos 380 jogos. A avaliação é do engenheiro Horacio Nelson Wendel, técnico especialista na formatação de disputas esportivas.

“A tabela da Série A tem parcialidade clubística flagrante, tem todos os ingredientes para um desinteresse técnico, logístico e comercial da competição”, ataca ele, que foi o autor das primeiras versões dos pontos corridos, em 2003.

Na avaliação de Wendel, a CBF não segue critérios básicos para uma competição igualitária, ignorando a alternância de jogos dentro e fora de casa, a distribuição dos grandes jogos, falta de simetria na distribuição dos clássicos e mandos. Na sua análise, até mesmo a Rede Globo, grande investidora da competição, sai lesada, especialmente no mercado paulista. Confira abaixo.

Leia também

São Paulo, Palmeiras e Grêmio são desprezados na tabela do Brasileirão 2017

Tabela do Brasileirão 2017 é feita para o Flamengo ser campeão, acusa especialista

Entenda os chamados erros da
tabela do Brasileirão 2017

Horacio Nelson Wendel faz o cálculo de equívocos aplicando em cada jogo se foi observado estes tópicos abaixo. Confira

Jogos seguidos em casa

“Em nosso projeto, todos os clubes jogam no máximo, duas partidas seguidas em casa e duas partidas seguidas fora de casa. A CBF não tem essa metodologia. O Flamengo, por exemplo, joga cinco vezes seguidas no Rio entre as rodas 21 a 25. E outras duas vezes faz um trio de partidas no Rio. O Corinthians jogará quatro vezes consecutivas em São Paulo, entre rodada 11 e 14”.

Distribuição dos clássicos

“A distribuição dos 12 clássicos do Rio e São Paulo é péssima, concentram-se na primeira metade de cada turno, quando deveriam estar simetricamente distribuídos ao longo dos turnos, ou concentrar-se na segunda metade de cada turno, para aumentar o interesse na reta final. Nas 6 últimas rodadas de cada turno, não há nenhum dos 12 clássicos cariocas e paulistas”

Falta de simetria

“Todos os 66 clássicos entre os 12 maiores clubes do país estão programados de forma equivocada. São quatro clássicos por rodada, durante 15 rodadas seguidas, entre a 3 e 17, com três clássicos na penúltima rodada e três na última rodada, com erro zero. Assim, na primeira metade há 30 clássicos, na segunda metade há 36 clássicos.”

Rio x São Paulo = Globo

“A distribuição de jogos de clubes paulistas e cariocas fora de casa, na mesma rodada, gera distorção na audiência: Corinthians e Palmeiras, líderes de audiência em São Paulo, jogam fora de casa na mesma rodada durante 9 rodadas, permitindo transmissão em TV aberta de somente 9 dos 18 jogos. Se Corinthians e Palmeiras intercalassem jogos em casa e fora de casa, permitiria transmissão de 18 jogos. Vasco e Flamengo, líderes de audiência no Rio, nunca jogam fora de casa na mesma rodada, permitindo transmissão em TV aberta de todos os jogos dos 2 clubes. Por que em São Paulo é diferente, se a metodologia permite?”

Critério técnico

“E o principal critério que reflete desinteresse no segundo turno do campeonato, a CBF não aplica: o certo seria nas 10 primeiras rodadas, os 10 melhores clubes de 2016 jogam contra os 6 piores e os 4 vindos da Serie B. Nas 9 últimas rodadas, os 10 melhores jogam entre si, e os 10 piores jogam entre si.”

Casa e fora

“Até a rodada 18, todos os clubes devem ter jogado 9 vezes em casa e 9 vezes fora de casa, para manter a imparcialidade, para que na rodada 19, 50% dos clubes tenham jogado 10×9, e 50% dos clubes tenham jogado 9×10. Vasco, Santos e Sport jogam até a rodada 18, 10 vezes em casa e 8 vezes fora de casa. Grêmio, Avaí e Ponte Preta jogam até a rodada 18, 8 vezes em casa e 10 vezes fora de casa.”

 

Participe da conversa!
0