Ronaldinho dá entrevista para a televisão turca, onde tem um compromisso promocional.

 

Ronaldinho Gaúcho, 36 anos, duas vezes eleito o melhor jogador do mundo, campeão da Copa-2002, estrela do Barcelona, não aceitou a proposta do Coritiba. E a resposta é simples: o seu trabalho em altíssimo nível (no início dos anos 2000) lhe ofereceu coisa melhor.

A profissão de R10 passa hoje por presença vip em peladas, participação em filmes e comerciais e até atuações musicais.

Entenda por que o canal SporTV ‘abraçou’ o Atlético na Libertadores

O astro está longe das competições oficiais desde que deixou o Fluminense em setembro de 2015. Aparentemente ainda está no mercado, à espera de algum bom contrato de trabalho.Mas a vida mambembe parece mais vantajosa: viagens, cachês milionários, carinho dos fãs, zero cobrança, futebol peladeiro…

R10 virou uma espécie de globetrotter, um artista circense da bola. Cobra cachê para se apresentar em palcos sedentos por celebridades do futebol. É o maior nome da categoria freelancer esportivo. Agora será embaixador do Barcelona, mas nem sabe ao certo o que vai fazer na prática. É mais uma diversão.

Recusar a oferta do Coritiba era previsível. Ronaldinho não quer mais jogar valendo. Nem precisa. O Coxa iria atrapalhar essa merecida dolce vita.

LEIA TAMBÉM: conheça a acirrada disputa de musas russas para a Copa-2018

Durante o período sabático, a atração, ele já disputou partidas no Peru, Equador, Guatemala, Estados Unidos, México, China e até jogou futsal na Índia. Pode colocar no currículo que o Papa Francisco lhe “contratou”, pois foi um dos principais convidados do “Jogo da Paz”, amistoso promovido pelo Vaticano em Roma com várias estrelas do futebol.

Se aventurou em outras áreas também. Antes da Rio-2016 estrelou um comercial da XXL Norge, uma rede norueguesa de artigos esportivos. Gravou ainda uma participação especial no filme kickboxer: Retaliation, remake de um antigo sucesso de Jean-Claude Van Damme.

Tem mais: participou de um clipe com Wesley Safadão cantando “Solteiro de novo”. Nas Paralímpiadas de 2016, compôs uma música para a competição com o auxílio dos amigos Jhama e Pablo Luiz.

Ainda tem gente que aguarda uma palavra oficial sobre o fim da sua carreira.

 

Fué muy bueno hacer parte de este grán evento en Guatemala. 2 a 2 en un excelente partido. #RonaldinhoEnGuatemala #Futeca A photo posted by Ronaldo de Assis Moreira (@ronaldinhooficial) on

Participe da conversa!
0