Matemática Libertadores

Montagem sobre foto de Albari Rosa/Gazeta do Povo

 

Nunca é cedo para fazer contas na Copa Libertadores. A matemática do equilibrado Grupo 4, com Atlético, Flamengo, San Lorenzo e Universidad Católica, é um bom exemplo disso.

Para o Furacão ou qualquer outro time passar de fase (oitavas de final) basta chegar a 10 pontos. No caso do time de Paulo Autuori (com 4 pts) a lógica traz otimismo: teria de vencer Flamengo e San Lorenzo na Arena da Baixada. Ponto. Apenas isso.

O rival carioca (3 pts), por exemplo, terá de buscar alguma coisa fora do Maracanã. E o time chileno (4 pts) está na mesma situação dos atleticanos.

O que garante um time com 10 pontos no mata-mata da competição? O histórico. Desde 2010, apenas uma vez ocorreu de um time ficar em terceiro lugar com essa pontuação. O fato ocorreu em 2014, quando Cruzeiro e Denfensor ficaram com esse número na fase de grupos. E o time mineiro avançou por saldo de gols.

10 é o número mágico.

Com 9 pontos existe um risco, mas a chance é grande também de avançar. Porém, melhor não arriscar. A própria torcida atleticana sabe disso. Em 2014, o El Paranaense dançou com nove pontos, ficando atrás de Vélez e The Strongest.

O regulamento da competição tem uma particularidade importante. Gol fora é um dos critérios de desempate nesta etapa, não só nos duelos diretos. Em caso de igualdade na pontuação, são critérios de desempate: 1) melhor saldo de gols; 2) mais gols pró; 3) mais gols fora de casa; 4) sorteio.

Veja a tabela e tire as conclusões (clique)

Participe da conversa!
0