É isso, moçada, após quase quatro meses de muita enrolação e algumas boas partidas, o Campeonato Paranaense chega ao fim. Pela lógica, dá Atlético. O Coritiba corre por fora, contando com a mala-branca e que o Cianorte repita a resistência dos outros jogos que fez na capital. Para o J. Malucelli, só uma improvável tragédia dupla dará o título. Uma passada breve em cada jogo.

Na Baixada

Albari Rosa/ Gazeta do Povo

Há pouco o Osmar Antônio deu uma informação na Banda B que me surpreendeu. Galatto, com 26 anos, é o jogador mais velho do time titular do Atlético. Serve como um desconto para as oscilações que o time teve no campeonato e um mérito a mais caso o título se confirme.

Nos últimos anos, sempre se falou (muito aqui na imprensa mesmo) na piazada do Coritiba e no descompasso entre a estrutura do CT do Caju e o número de garotos da base rubro-negra no time titular. Agora, essa base atleticana está finalmente dando frutos reais. Casos de Raul, Fransérgio, Chico (já desde o ano passado), Rhodolfo (promovido ainda em 2008), Wallyson (que não é cria do Caju, mas recebeu a última lustrada lá), Renan. Troféus sempre são bem-vindos, mas certamente revelar estes guris valerá muito mais ao Furacão.

Do lado do Cianorte, a mala (que ninguém confirma oficialmente, mas todo mundo comenta nos bastidores) deve servir como injeção para um time que sofreu os efeitos do supermando. Hoje pela manhã, eu circulava ali pelo Jardim Botânico quando vi o ônibus do Leão do Norte passando. Certamente preferiu vir direto para livrar a despesa com hotel e diminuir o prejuízo com a redução dos mandos de campo.

No Couto

Antonio Costa/ Gazeta do Povo

O Coritiba deve encarar o jogo de hoje mais como uma celebração por o time ter se encontrado nas duas últimas partidas do que uma tentativa de tirar o troféu do Atlético. Lógico, o Coxa tem que fazer sua parte, pois o Atlético enroscar o Cianorte e o Coritiba não passar pelo Nacional será ridículo. Mas todos têm consciência de que o título foi perdido contra Iraty e J. Malucelli. Fica a lição para que a diretoria seja mais rápida na hora de resolver os problemas. Foi a insistência com Ivo Wortmann que tirou o Coxa da briga pelo troféu.

No post abaixo, fui malhado por criticar a ação da Império Alviverde para impedir a entrega do troféu. Respeito a discordância de todos (até daqueles que atacam para argumentar), mas sustento minha posição de que a ação é uma bobagem. Seja questionando o artigo 14, seja questionando o artigo 11.

Este determina que a classificação geral é feita com base na pontuação dentro daquela fase. Pois bem. Atlético e Coritiba receberam pontos extras pela campanha na primeira fase, mas que valem e são contabilizados no octogonal, como explica o parágrafo único do famosíssimo artigo 9º. É simples. o 9º puxa o 11, que puxa o 14. Colo abaixo os dois.

Art. 9º – Na segunda fase do CAMPEONATO, as 8 (oito) EPD classificadas se enfrentam em turno único, com mando de campo da EPD que teve melhor classificação geral na fase anterior do CAMPEONATO.
Parágrafo único – Todas as EPD iniciam a segunda fase com pontos zerados, excetuando-se a EPD melhor classificada na primeira fase, que inicia a segunda fase com 2 (dois) pontos, e a segunda EPD melhor classificada na primeira fase, que inicia a segunda fase com 1 (um) ponto.

Art. 11 – Para efeitos de classificação geral no CAMPEONATO, deve-se inicialmente considerar a fase alcançada pela EPD, e, posteriormente, asoma de pontos obtidos pela EPD dentro da fase que tiver atingido.

No Ecoestádio

Hedeson Alves/ Gazeta do Povo

O Malutrom era um time simpático, de família. Praticamente uma pelada de fim de semana que virou coisa séria.

Tornou-se um pouco sisudo ao assumir a identidade J. Malucelli. Virou braço esportivo de um conglomerado. Deixou o lado lúdico do futebol para trás.

Hoje completa a transição para o bizarro Corinthians Paranaense, identidade que assumirá de fato a partir de amanhã. Vencer se último jogo como Jotinha será a despedida digna de um clube que, sinceramente, não deixará a menor saudade no futebol paranaense.

E o Paraná
O rumor da semana foi que a LA Sports está articulando a contratação de um novo treinador. Deve ser Wágner Benazzi (perfeito para garantir o acesso), mas pode até ser Alfredo Sampaio (um Joel Santana sem títulos).

Ouça agora o Williams Lima falar na Banda B que Velloso pode ter a saída anunciada após o jogo de hoje, no Ecoestádio. Talvez até o Velloso peça o boné.

Há dez dias o Paraná foi eliminado da Copa do Brasil. Logo após o jogo com o Fortaleza falava-se na saída do Velloso. Se a ideia era dispensá-lo, por que não foi feito naquele momento? Por que deixar para fazer agora, na semana da estreia na Série B? Realmente, a diretoria do Paraná não aprende.

Comentários
João Gabriel Silva, visitante antigo aqui do blog, chama a atenção para o nível dos comentários. Realmente, o nível baixou muito. Não só aqui, mas nos blogs em geral. O que era para ser um espaço para debater ideias já virou há muito tempo um espaço para idiotas anônimos destilarem sua raiva, seus preconceitos e sua frustrações.

Como já escrevi aqui várias vezes, nunca vou ser contra alguém discordar do que escrevo. Pelo contrário. Podem criticar, me desafiar, o que for. Se for respeitoso, vai ficar na caixa de comentários sempre.

Agora, se for para vir de babaquice, cai fora. Vá gastar seu tempo com algo mais útil.

Participe da conversa!
0