Hedeson Alves/ Gazeta do Povo
Léo Gago posa para foto com os amigos Martins, Alderni e Junior

Enquanto o volante Léo Gago participava, na terça-feira, do último treinamento do Coritiba antes da partida desta quarta (18) contra o Ceará, pela Copa do Brasil, três figuras observavam atentamente todos os passos do jogador no campo localizado nos arredores de Fortaleza.

E não era para menos. Há mais de dois anos, quando o atleta ainda atuava pelo Avaí, que o professor de matemática Jorge Junior, 27 anos, o designer gráfico Elton Martins, 43 anos, e o mecânico Francisco Alderni, 55 anos, não encontravam o velho amigo. O encontro no Ceten (Centro de Treinamento Esportivo do Nordeste) não bastou para matar a saudade. O papo continuou no saguão do hotel em que o Coxa está hospedado na capital cearense.

A amizade começou em 2005, quando o então desconhecido Gago, natural de Campinas (SP), transferiu-se do Mineiros, time da Segunda Divisão goiana, para o Ceará. “Ele morava em frente à oficina do Francisco e era nosso vizinho. Desde então ficamos amigos”, contou Junior.

“Eu levava ele para o treino no Ceará. Ele, Adilson, Germano e o Alessandro [também jogadores]. Ele nem sabia onde era o campo. Naquela época tinha que beber a água quente lá das torneiras”, lembrou o bem humorado Alderni, com os óculos escuros escorados na aba de seu boné.

A partir desse momento a carreira de Léo Gago engrenou. Gaguinho ou Beiço, como é chamado pelos amigos, venceu o Campeonato Estadual pelo Ceará, em 2006. No ano seguinte, trocou de time. Foi parar justamente no maior rival. No Leão, também foi campeão cearense – e chamou a atenção mesmo quando não estava em campo. Era a vez do “Trio Boladão”.

“Em 2007, o Fortaleza estava mal na Série B. Certa vez, voltou de viagem com uma derrota. O Léo estava suspenso e não poderia jogar a próxima partida. Por isso, desceu do avião e foi direto para a Arena (casa de shows) para ver uns amigos. O Simão e o Rogerinho [companheiros de equipe] estavam juntos. Só que teve uma confusão lá, com briga e tudo, e eles foram afastados do time”, explicou Junior.

Apenas quando a suspensão acabou e o trio voltou à ativa, que o Fortaleza voltou a ganhar. Engatou uma série de seis vitórias. “E aí o Simão foi o mentor intelectual do vídeo, que teve muitos acessos. Fizeram dentro da concentração como uma resposta para quem os afastou. E repercutiu bastante”, continuou o professor, com o convite de casamento na mão para entregar ao amigo.

O jeito de criança de Léo Gago, que adora soltar pipas no CT da Graciosa, não é novidade para Junior, Martins e Alderni. “Inclusive no apartamento dele em Fortaleza, quando o vento estava bom, ele soltava pipa de dentro da sala”, atestou o designer. “Sempre foi esse meninão, gente boa, humilde demais. Sempre liga para a gente para saber como estamos. Não se esquece dos amigos”, completou Junior, que dificilmente perde uma partida com Gago em campo.

Agora, além de sonhar com que Léo Gago conquiste o título da Copa do Brasil, o desejo dos velhos amigos é com a amarelinha da seleção brasileira.

“Já disse para ele. O que falta para você chegar a Seleção agora é gol. Dentro da característica de volante pela esquerda, estamos carentes. E ele é diferenciado”, opinou Martins. “Ele tem uma vantagem muito grande, que é o aspecto físico. Corre muito, é muito forte, sempre foi assim. No começo ele era muito indisciplinado, levava muitos cartões. Mas de dois anos para cá, melhorou muito”, falou Junior, que espera ver o amigo em seu casamento em agosto.

Após o treino, Gago respondeu: “Fala com ele lá”, apontando para o técnico Marcelo Oliveira, e dando muitas risadas com os amigos.

Leia também:

Coritiba pronto para encarar a pressão do Ceará

Duelo envolve “vovôs” com muito em comum

Participe da conversa!
0