Apenas seis clubes do Brasileirão conseguem uma taxa de ocupação média no seu estádio superior a 50%. O campeonato tem se notabilizado pelos espaços vazios nas arquibancadas, com 14 agremiações fracassando na tentativa de preencher ao menos a metade da capacidade máxima das praças esportivas. Ranking atualizado com a taxa de ocupação dos estádios durante o Brasileirão comprova a falta de mobilização na maioria dos participantes. Com exceção do Corinthians e Palmeiras, nenhum outra agremiação do certame pode dizer que faz da sua casa um caldeirão.

Pior que isso: o Brasileirão na sua totalidade ostenta uma taxa média de apenas 66% de ocupação dos estádios.

O levantamento tem papel relevante no debate sobre a gestão dos clubes no relacionamento com os torcedores. Alguns sofrem com a baixa adesão no plano de sócio, outros apostam na elitização, com ingressos a quase R$ 100 e a maioria não tem uma estratégia específica para conquistar os fãs acomodados com o pay-per-view.

Confira o ranking de ocupação dos estádios no Brasileirão 201

Clube– Média de público –taxa de ocupação

Corinthians: 33.367 –70%

2º São Paulo: 32.970 –50%

Palmeiras: 30.975 –72%

Grêmio: 20.680 –37%

Flamengo: 19.955 –51%

6º Cruzeiro: 19.411 – 31%

Bahia: 17.443 –37%

* Brasileirão: 15.884 –66%

Botafogo: 15.686 –35%

Atlético: 15.176 –38%

10ºAtlético-MG: 15.167 –56%

11ºFluminense: 14.033– 26%

12ºSantos:  12.312 –55%

13ºVasco: 11.818 –38%

14ºCoritiba: 11.027 –27%

15º Sport: 10.572 –31%

16º Chapecoense: 9.131 –40%

17º Vitória: 9.108 –25%

18º Avaí: 7.216 –40%

19º Ponte Preta: 5.955 –33%

20º Atlético-GO: 4.775 –24%

 *O ranking leva em conta a média obtida em cada estádio que mandou partidas e desconsidera jogos com portões fechados.

Participe da conversa!
0