colunas e Blogs
Arquibancada Virtual
Arquibancada Virtual

Arquibancada Virtual

Arquibancada Virtual

A Fúria olímpica gemeu

Por
Redação
26/07/2012 16:30 - Atualizado: 27/09/2023 15:52

A Espanha chegou a Londres – na verdade, Glasgow – carregando o favoritismo da sua seleção principal e dos diversos títulos das categorias de base na Europa: sub-19, sub-21… Não foi suficiente. Acabou repetindo o que fez a Fúria na Copa do Mundo da África do Sul, perdendo por 1 a 0 para uma seleção dedicada, retrancada e de pouca qualidade técnica. Em 2010, foi a Suíça que surpreendeu em um contra-ataque. Desta feita, quem fez os espanhóis engolirem o salto alto foram os japoneses, aproveitando uma jogada de bola parada (escanteio).

O que ficou claro nesse confronto é que a Espanha versão olímpica tem de melhorar muito para merecer um lugar no pódio. Seu estilo de jogo tenta imitar o da equipe principal, com posse de bola, toques rápidos e uma movimentação de suas peças no campo todo. A teoria não condiz com a prática. O “futebol total” da Furiazinha azul – é, eles usaram um azul bebê no debute nos Jogos – é mais confuso do que eficiente.

O atacante brasileiro naturalizado espanhol, Rodrigo, o único na função, apareceu diversas vezes como apoio à defesa; os meias alternavam os lados frequentemente; e os volantes – como o capitão Javier Martinez – se aventuravam de vez em sempre no campo ofensivo. Ninguém tem posição fixa. Seria bom se funcionasse. Não é o caso. Parecia time de escola, com um bolo de jogadores no mesmo lugar.

Como o Japão abriu uma franquia da Muralha da China, pressionando a saída de bola dos europeus e explorando os contragolpes, a falta de recursos dos espanhóis ficou evidente. Foi assim, em uma lambança na frente da área, que o zagueiro Iñigo Martinez acabou expulso no fim da primeira etapa, por dar um ippon no lutador, digo, jogador adversário que bateu sua carteira. Nem a correria dotada de alguma lucidez de Mata (do Chelsea), variando a atuação pelos dois lados da meia-cancha, ajudou a equipe a se encontrar no jogo. Os nipônicos mostraram ao mundo que, apertados, os espanhóis gemem, como diz o ditado popular.

Se a Fúria olímpica pouco apresentou, os representantes da terra do sol nascente tampouco merece grande crédito. Louváveis a entrega do time – o autor do gol, Yuki Otsu, até chorou depois do apito final – e o respeito tático, empurrando a marcação no ataque o tempo todo. Entretanto, falta habilidade com a bola nos pés (futebol é o que mesmo?). Apenas Otsu, que saiu contundido ainda no intervalo, e o camisa 10, Higachi, este principalmente, se destacaram no trato à pelota.

Veja também:
Dupla de Curitiba irá representar a seleção brasileira no Pan de Judô
Dupla de Curitiba irá representar a seleção brasileira no Pan de Judô
Athletico enfrenta o Ypiranga-RS na Copa do Brasil: conheça o adversário
Athletico enfrenta o Ypiranga-RS na Copa do Brasil: conheça o adversário
Copa do Brasil: sorteio define confrontos da terceira fase
Copa do Brasil: sorteio define confrontos da terceira fase
Quem pega quem? Assista ao sorteio da Copa do Brasil AO VIVO
Quem pega quem? Assista ao sorteio da Copa do Brasil AO VIVO
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre Arquibancada Virtual
O Nikão do Athletico. Desfrutem enquanto é tempo
Crônica

O Nikão do Athletico. Desfrutem enquanto é tempo

Libertad x Santos AO VIVO: como assistir ao jogo na TV
Transmissão

Libertad x Santos AO VIVO: como assistir ao jogo na TV

Barcelona x Fluminense AO VIVO: como assistir ao jogo na TV
Transmissão

Barcelona x Fluminense AO VIVO: como assistir ao jogo na TV